Artigo

Compreender e perdoar

00:00 · 11.08.2018

Muitas famílias festejarão, neste domingo, em clima de alegria e reconhecimento, o Dia dos Pais. Estes receberão, dos filhos, as mais diversas manifestações de carinho, agradecimento e admiração, beijos e abraços sinceros, autênticos, verdadeiros, vindos do íntimo de seus corações. Será esta a tônica da data, embora, para muitos outros pais, as coisas não venham a acontecer dessa forma. Não há receita, manual ou cartilha que ofereça a cada pai o caminho correto a fim de exercer plenamente sua missão da maneira almejada pelos filhos. Este seria o desejo da maioria, creio.

Mas existem muitos que, por deficiências pessoais ou de formação familiar, simplesmente não assimilaram, na medida necessária ou esperada, o nível de perfeição que desejariam. Em múltiplas situações os filhos necessitam ou, pelo menos, esperam dos pais uma postura altiva, vigilante.

Atitudes de silêncio ou omissão da autoridade paterna acabam por frustrar-lhes certas expectativas. Outros pais, embora amem seus filhos, falam-lhes de forma ríspida, até grosseira, estabelecendo muitas vezes repercussões traumáticas ao longo de suas vidas. Tais ações podem ser resultado de eventos passados, de conflitos mal resolvidos com os filhos, de atos precipitados tomados pelo pai, que terminaram por recair sobre seus descendentes, gerando graves problemas de relacionamento. Estes, somente com disposição e diálogo de ambas as partes, poderão ser superados. Para tanto, cada lado necessita compreender e perdoar o outro, a fim de que as boas relações possam ser, enfim, assentadas.

Ser pai no mundo de hoje, onde novas ideologias e a força das redes sociais são incontestáveis entre as novas gerações, é tarefa dificílima. Aceitar novos conceitos, novas visões, jovens que descreem até de Deus, é angustiante para muitos! Sem dúvida, são aspectos complexos que permeiam tais relações. Mas creio que a compreensão entre pais e filhos possa ser real e verdadeira, desde que se proponham a aparar certas arestas.

Que isto, enfim, aconteça, e possa o Dia dos Pais ser a cada ano mais feliz, para muitas outras famílias!

Gilson Barbosa
Jornalista

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.