Coluna

Leitores e Cartas: Reforma sindical

Leitores e Cartas

opiniao@diariodonordeste.com.br

00:00 · 06.06.2018

Basta que os sindicatos façam o que cabe a eles: defender o trabalhador. Se eles realmente lutarem pelo o direito dos trabalhadores, estes vão pagar. Agora, se o sindicato se vende para os patrões e aceita tudo que eles colocam, ninguém vai pagar.

Maxwell James
(Via Facebook)

Reforma sindical II

Eu continuo contribuindo com o meu sindicato e nada mudou. Quando sinto que eles não estão nos representando, procuro frequentar mais as assembleias e me inteirar melhor das propostas e, junto com ele, fazermos sugestões que atendam à nossa categoria Às vezes, nós é que nos afastamos das nossas causas e deixamos os outros falarem por nós. (Comentários de internautas sobre a matéria "Seis meses após a Reforma Trabalhista, arrecadação de sindicatos desaba 88%",publicada nas redes sociais do Diário do Nordeste).

Maria de Fatima R. Meireles
(Via Facebook)

Abaixo a mordomia!

Após vários dias de paralisação, como chamam a greve dos caminhoneiros, o "rombo" nas contas foi grande para o governo e para a população. Para suprir parte do prejuízo, o governo Temer quer cometer o crime de retirar recursos dos principais setores que atendem ao povo, á Saúde e à Educação, para bancar a redução no preço do óleo diesel. Será que a população vai admitir isso? Em vez de prejudicar o povo, por que o governo não reduz os gastos exorbitantes com os parasitas políticos, reduzindo, pela metade, as mordomias? Acho inconcebível um deputado federal receber R$ 100 mil, por mês. Em meio a uma crise, a prefeita de Tóquio, no Japão, retirou parte do seu salário para ajudar creches necessitadas. Enquanto isso, em nosso País pobre, o governo faz o contrário. Fecha creches e hospitais e aumenta seus polpudos salários. Só mesmo muita cadeia para eles!

Amilcar Paula Pessoa
Fortaleza (CE)

Últimos Artigos

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.