Coluna

Leitores e Cartas: Que belas rugas

Leitores e Cartas

opiniao@diariodonordeste.com.br

00:00 · 05.05.2018 / atualizado às 01:05

Ao olharmos para uma criança, nosso coração se enche de ternura e gratidão, por Deus nos ter enviado uma bênção. Por outro lado, quando olhamos para alguém com mais idade, nossos sentimentos se confundem. Encaramos o tempo de forma distinta para objetos e pessoas. Os objetos se valorizam, enquanto as pessoas, via de regra, carecem de reconhecimento. Costumamos valorizar coisas antigas, sem exigir que funcionem. Colecionamos e até fazemos comércio da história dos outros. Quando se trata de pessoa, gente , filhos de Deus (como pretendemos ser), aí falhamos. Com o perdão das raras exceções! Não lidamos bem com os efeitos do tempo. Temos que aprender a ver a beleza das pessoas , independente do tempo já vivido por elas. Temos que fazer valer a pena, todo o tempo que nos for concedido. Compreender que os mais velhos são os vencedores. Chegaram mais longe, numa estrada que ninguém, além de Deus, sabe onde termina de fato!

Eduardo Guimarães
Fortaleza (CE)

Discriminação ao idoso

Deputados e senadores acordem para o que diz respeito aos idosos que sofrem cada dia mais com a discriminação ao sair de casa e enfrentar uma fila, a omissão de motoristas de ônibus e até mesmo a discriminação apenas pela idade. Fui ao Banco do Brasil solicitar um empréstimo, em 12 vezes, e me foi negado , devido a minha idade. Isso é um desrespeito à terceira idade e ao artigo 96 do Estatuto do Idoso sobre Discriminação (Lei n. 10.741, de 1 de outubro de 2003): "Discriminar pessoa idosa, impedindo ou dificultando seu acesso a operações bancárias, aos meios de transporte, ao direito de contratar ou por qualquer outro meio ou instrumento necessário ao exercício da cidadania, por motivo de idade". Ou seja, a quebra de princípio da igualdade. Ser idoso não é ser incapaz de realizar conquistas, ser idoso é ter experiência, conhecimento, ser idoso é uma bênção divina. Ainda podemos fazer muito pela sociedade. Acordem!

Vicente
Fortaleza (CE)

Que rumo tomar?

Estávamos com esperança de que iríamos atravessar o nosso Rubicon sem guerra e sem morte. Esta esperança baseava-se na nossa história e fé que o brasileiro tinha na sua sagrada Justiça. Caminhava-se bem. As Forças Armadas olhando os acontecimentos com tranquilidade. Tudo começa a tremer. A confiança na sagrada Justiça desaparece. Falta respeito aos ministros e juízes e estes não se dão a respeito. O STF passa a ser defensor de grandes ladrões e os larápios da coisa pública são tratados como deuses. Quando é preciso soltar o ladrão-mor, tudo é permitido fazer. Temos vergonha quando somos comparados com outros países. Chegando-se na Europa: São brasileiros? Sim. Aqui pode-se andar, sem medo, de dia ou de noite. No Canadá, um louco terrorista, ou seja o que for, matou (atropelou) dez pessoas e feriu outras tantas. Três dias depois, foi condenado a 25 anos de cadeia e caso resolvido. Aqui, 20 anos para ser julgado e suas eminências irão falar sobre Sócrates, Platão, Cícero, Catilina, Stalin, Lenin, Rui etc para dizer que o sujeito é réu, e como o tempo passou vai ser preso em casa com uma tornozeleira, se for rico. E se for pobre, vai para o inferno das prisões ou o processo nem é aberto. Em qualquer país sério do mundo a falta de respeito à Justiça é cadeia. O que fazer?

Torres de Melo
Fortaleza (CE)

Risco de incêndio

Não quero nem pensar sobre o sinistro da ocorrência de um incêndio de grandes proporções, aqui na Região da Ibiapaba, a qual dista mais de 150 quilômetros da única Brigada do Corpo de Bombeiros existente na Zona Norte deste estado, situada em Sobral.

Gilson Queiroz
Ubajara (CE)

Últimos Artigos

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.