Coluna

Leitores e Cartas: apagão de gestão

Leitores e Cartas

opiniao@diariodonordeste.com.br

00:00 · 26.03.2018

O Ceará e outros 13 Estados passaram o maior sufoco energético das últimas décadas, com duração de cerca de cinco horas. Fortaleza, por exemplo parou. Comércio e escolas fechadas, carros e pedestres "desapareceram" na escuridão, trens e prédios sem geradores deixaram pessoas sem condições de retornar aos lares. Quando estudava na Itália, indaguei como era o sistema de energia no país, já que não haviam hidrelétricas. Esclareceram-me que era por meio de termoelétricas, todas interligadas, para quando uma quebrasse, as outras trabalhavam mais para suprir a primeira. O Brasil, País de dimensão continental, possui diversos tipos de energia: à lenha, a hidrelétrica, a atômica, a termoelétrica, a eólica e a solar. Somos, portanto, um País privilegiado, faltando apenas uma boa administração dos recursos energéticos disponíveis, ou seja, melhor gestão.

Amilcar Paula Pessoa
Fortaleza (CE)

A babel de Lula

Cresce, na medida que o tempo avança, a convicção de que a elite brasileira, que domina e manipula a política e a economia, perde o rumo e caminha para o isolamento. Para se manter, desmoraliza as instituições da estrutura republicana e burguesa. Foi assim com as Forças Armadas e agora com a Justiça. Os poderes eleitos (Executivo e Legislativo) o dinheiro compra. O julgamento de quinta-feira, 22/3, no Supremo Tribunal Federal (STF) sobre o habeas corpus do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, apesar do objetivo notório de desmoralizá-lo, tudo nos leva a acreditar que não vai funcionar, não vai prosperar. Lula é inocente e nenhuma "fake news" pode reverter isso. É apenas uma questão de tempo. Portanto, é a Justiça Suprema que está em julgamento. É a sua opção entre os poderosos e a lei. Ser preso ou não, como querem os golpistas, pode até agigantar Lula. É esperar e ver.

Antônio Negrão de Sá
Rio de Janeiro (RJ)

Últimos Artigos

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.