Fortaleza

Varejo projeta alta de até 3% nas vendas; melhor Natal em 3 anos

Para Sindilojas, alguns devem ter crescimento ainda maior, levando vantagem quem 'acreditou na melhora'

01:00 · 21.10.2017
Image-2-Artigo-2313958-1
Queda da inadimplência, melhora da confiança e da expectativa de consumo sustentam projeções animadoras para este fim de ano ( FOTO: NATINHO RODRIGUES )

Um mês após o calendário começar a marcar o período conhecido como "Br-O-Bró", o comércio de Fortaleza já se vê com os preparativos em estágio avançado diante de mais uma oportunidade de garantir um bom faturamento neste fim de ano, que de acordo com o presidente do Sindicato do Comércio Varejista e Lojista de Fortaleza (Sindilojas), Cid Alves, é esperado como o melhor nos últimos três anos. "Nós devemos crescer em torno de 2% e 3%, mas com certeza alguns (lojistas) vão passar - e muito - disso. Há também quem não vai conseguir, sequer, chegar a esse patamar", avalia.

Ele pontua que, o que deve definir quem vai ultrapassar esse patamar ou ficar abaixo dele é a preparação para o momento. "Nós já estamos crescendo, mas alguns lojistas não percebem. O que acontece é que alguns ainda sofrem porque não esperavam por esse momento de crescimento, não perceberam antecipadamente", destaca Alves.

Ele detalha que, durante os últimos três anos, o País viveu momentos de recessão e desemprego profundos. "Hoje, estamos mais confiantes e esperando que a população responda às nossas expectativas", diz, acrescentando que o cenário mais positivo, tanto por parte do consumidor quanto do empresário do comércio, é graças a um "descolamento entre política e economia". "Os cenários estavam muito ligados, mas a maioria da população separou", ressalta.

Cautela

Presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas de Fortaleza (CDL de Fortaleza), Severino Ramalho Neto também aposta em um resultado para as vendas do comércio neste ano, mas diz que qualquer crescimento deve ser comemorado. "A inadimplência está caindo, a expectativa de consumo está melhor e a confiança dos empresários e do consumidor estão bem melhores", frisa.

Reconhecendo a necessidade de ser realista, ele reafirma que "o fim deste ano será bem melhor do que o do ano passado", mas diz que o segmento está "confiante com o pé no chão". "Não podemos passar dessa confiança para um otimismo desproporcional", avalia Neto.

Entre os segmentos que mais devem ser procurados pelo fortalezense estão o de roupas e calçados. No Ponto da Moda, especificamente, os produtos voltados para o público feminino e para o infantil são destaque, de acordo com o diretor da rede de lojas, Riamburgo Ximenes.

"Estamos com a esperança de que as vendas do comércio cresçam bastante neste fim de ano. Com a crise, o consumidor reprimiu as compras durante o ano todo. Quando o Natal se aproxima, essa necessidade de consumir aumenta mais ainda e a pessoa, que já passou o ano inteiro sem poder comprar algo que quer, acaba dando um jeito de realizar a aquisição. Ela deixa ao menos parte do 13º salário no comércio", acredita Riamburgo Ximenes.

Contratações

De acordo com Riamburgo, o quadro de funcionários do Ponto da Moda receberá um incremento de 80% para ajudar a atender a demanda no período. "De um modo geral, as lojas quase dobram o número de profissionais. No caso do Ponto da Moda, o quadro terá aumento de 80% com funcionários temporários para os últimos dois meses", afirma. O diretor destaca que alguns já devem começar na primeira quinzena de novembro e outros devem passar a atuar na segunda quinzena, prosseguindo durante todo o mês de dezembro.

Lucro

Apesar de a estimativa de vendas para o Natal ser a melhor possível, Riamburgo se mantém cauteloso quanto à expectativa de faturamento. "Nós estamos trabalhando quase para pagar as contas, somente. As nossas margens de lucro estão super achatadas e todos estão sob o fio da navalha. Qualquer erro pode deixar o negócio no vermelho".

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.