VIA FORTALEZA

Telebras faz acordo para usar cabo

01:00 · 13.09.2018

São Paulo/Fortaleza. A Telebras anunciou ontem (12), um acordo para trocar sua participação acionária nas empresas EllaLink e Cabos Brasil Europa pelo direito de uso no cabo submarino a ser lançado pela Ellalink Ireland que vai interligar diretamente o Brasil a Portugal.

O fechamento financeiro deve ocorrer nos próximos meses, segundo a estatal, e o início da operação do cabo está previsto para o ano de 2020.

O cabo submarino EllaLink conectará o Brasil diretamente ao continente europeu. O equipamento tem, ao todo, cerca de 9.400 quilômetros de extensão, com custo aproximado de US$ 206 milhões.

A obra é financiada pela Telebras e a espanhola Isla Link. O cabo parte de Santos (SP) a Fortaleza (CE), de onde segue até Sines, no Sul de Portugal. Há, ainda, a previsão de mais extensões para as ilhas de Cabo Verde, Canárias e da Madeira.

Parceria

A construção do equipamento foi anunciada no ano de 2014. Na ocasião, a Telebras informou que faria parte de uma nova empresa, a Joint-Venture Company (JVCo), em parceria com os investidores da Isla Link Submarine Cables.

À época, foi dito também que um backbone de alta capacidade - rede de fibra óptica principal por onde passam os dados dos clientes na internet e também responsável pelo envio e recebimento de dados entre grandes cidades - garante conexão de qualidade a todo o Brasil.

Hub tecnológico

Fortaleza tem se transformado em um centro de conexões (hub) em telecomunicações da América Latina, com as chegadas dos cabos submarinos e um data center à Praia do Futuro.

Ainda neste mês, é aguardado o início das operações do cabo submarino Sacs (South Atlantic Cable System), que conecta Luanda (Angola) ao Brasil. Já o data center, cujas obras estão em torno de 60%, deverá ser inaugurado no fim do ano.

Há a expectativa de que, nos próximos anos, mais empresas passem a utilizar Fortaleza como hub para os cabos submarinos de fibra óptica.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.