Redução de R$ 0,46

Sindipostos: diesel mais barato deve chegar hoje

01:00 · 04.06.2018
Image-0-Artigo-2408820-1
Assessor observa que preço final ao consumidor deva ser R$ 0,04 menor que o prometido ( Foto: LC Moreira )

Fortaleza/São Paulo. Ameaçado de processos caso não reduza o preço do diesel na mesma proporção que a Petrobras fez nas refinarias, o Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo do Estado do Ceará (Sindipostos-CE) informou que a expectativa é que as primeiras cargas com o combustível mais barato cheguem nesta segunda-feira (4).

"A gente sabe que não há lei no mundo que obrigue vender mais barato, mas estamos só esperando receber estoque mais barato para vender como o governo quer. Vamos cumprir de acordo com o que vier da Petrobras", afirmou o assessor econômico do Sindipostos-CE, Antonio José Gomes Costa.

> Gasolina: governo quer amortecer alta de preço

> Produção no País é a menor em 15 anos

Ele observa que, apesar de o governo prometer uma redução de R$ 0,46, as distribuidoras falam que o repasse deve ficar em R$ 0,41. A diferença diz respeito à mistura obrigatória de biodiesel, que corresponde a 10% de cada litro do produto final vendido nas bombas dos postos.

Gasolina sobe

A greve dos caminhoneiros colocou em xeque a política de preços da Petrobras e levou a estatal a congelar o valor cobrado pelo diesel nas refinarias, mas os reajustes diários da gasolina seguem a todo vapor. No sábado (2), o litro da gasolina tipo A passou a R$ 2,0113 nas refinarias da Petrobras, alta de 2,2%.

Foi a segunda elevação seguida na gasolina, depois de cinco quedas. Ao longo da semana em que os protestos dos caminhoneiros pararam estradas em diversos pontos do País, o combustível acumulou redução de 6,4%. Com as elevações da última quinta-feira até ontem, a alta acumulada ficou em 3%.

A diferença em relação aos valores cobrados pela Petrobras nas refinarias se deve aos impostos e às margens de distribuição. Segundo a estatal, o preço na refinaria responde por 33% do valor na bomba. Tributos federais são 15%, enquanto o ICMS pesa 28%, na média nacional. O etanol adicionado à mistura da gasolina responde por 12%, enquanto os outros 12% se referem à distribuição e revenda.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.