Ritmo de crescimento

Renda menor e inflação afetam consumo das famílias

01:00 · 01.09.2018
Image-0-Artigo-2447713-1
O consumo das famílias cresceu 1,7% no segundo trimestre deste ano, um pouco abaixo do avanço ocorrido no primeiro trimestre (2,8%)

Rio. Um dos principais motores da economia na década passada, o consumo das famílias reduziu seu ritmo de crescimento no segundo trimestre deste ano, divulgou IBGE nessa sexta-feira (31). O consumo das famílias teve alta de 1,7% no segundo trimestre deste ano, se comparado a igual período de 2017.

O aumento, contudo, representa uma desaceleração no rimo de consumo, já que no primeiro trimestre deste ano a alta havia sido de 2,8%. Na passagem do primeiro para o segundo trimestre, o consumo das famílias ficou estável, tendo tido ligeira alta de 0,1%.

Leia também:
 
> PIB do País sobe 0,2% no 2º tri e acumula alta de 1,1% no ano 
 
> Brasil é 'lanterna' em crescimento
 
A manutenção, desde o fim do ano passado, de cenário ruim no mercado de trabalho, com aumento da informalidade e uma renda que não avança há quase dois anos, contribuiu para a redução de ritmo de consumo das famílias no segundo trimestre deste ano.

Greve dos caminhoneiros

A paralisação dos caminhoneiros também teve impacto negativo no consumo no país. O desabastecimento de alimentos decorrente dos bloqueios em estradas e a incerteza imposta à população sobre o futuro da economia pressionaram para baixo as taxas de consumo.

A paralisação também fez aumentar a inflação nos meses do segundo trimestre do ano. Antes sob controle, a inflação alta acaba por inibir a intenção de consumo. A redução de ritmo ocorre a despeito do aumento do crédito voltado à pessoa física no período e a trajetória de queda da taxa básica de juros no País.

Impacto futuro

A comparação anual fica prejudicada porque em 2017 o consumo foi positivamente impactado pela liberação das contas inativas do FGTS à população. Este ano o governo liberou o saque de cotas do PIS/Pasep pelos trabalhadores, mas a medida passou a vigorar em junho e, segundo o IBGE, terá impacto mais positivo no PIB no terceiro trimestre. "A ocupação está crescendo, mas a massa salarial (renda e emprego) caiu 0,6% em relação ao segundo trimestre do ano passado. Apesar de o emprego ter aumentado, a renda recebida em termos reais caiu em relação ao mesmo período do ano passado. A inflação está baixa mas deu um repique em junho", disse a coordenadora das Contas Nacionais do IBGE, Rebeca Palis.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.