Comércio é afetado

R$ 1,4 bilhão em moedas está fora de circulação

Situação impacta diretamente o varejo, uma vez que escassez de moedas dificulta o troco aos clientes

01:00 · 15.02.2018 por Hugo Renan do Nascimento - Repórter
Image-0-Artigo-2362744-1
De acordo com os dados do Banco Central (BC), existem, atualmente, 25,4 bilhões de unidades de moedas em circulação (R$ 6,5 bilhões em valor)

Dinheiro trocado em dias de cartões de crédito e débito se tornou, em muitas situações, bastante complicado de ter à disposição. Difícil ainda mais para os comerciantes que precisam passar troco. Segundo dados do Banco Central (BC), 35% das moedas em circulação no País estão entesouradas, ou seja, guardadas ou esquecidas. A instituição também informou que, considerando o total em circulação, chega-se o número estimado de 8,7 bilhões de moedas entesouradas, o equivalente a cinco anos de produção. O valor corresponde a R$ 1,4 bilhão.

"Ciente deste fato, o Banco Central do Brasil estimula a recirculação de moedas. Nesse sentido, é oportuno lembrar, que o Banco Central não é a única fonte possível de moedas metálicas, uma vez que os bancos e o comércio também podem captar moedas junto aos seus clientes, que poderão então ser disponibilizadas para recirculação. O estímulo à recirculação de moedas melhora a oferta de troco e contribui para a economia do gasto público", disse o BC.

A instituição financeira também afirma que o fenômeno do entesouramento de moedas é uma ocorrência verificada em todo o mundo e que muitas pessoas guardam o dinheiro para fins de poupança ou pelo simples esquecimento ou perda.

"Relativamente às moedas metálicas, é importante destacar que a proporção de moedas em relação ao valor total do meio circulante no Brasil é da ordem 2,8%, o que está alinhado a parâmetros internacionais - que variam de 2,3% a 3% - indicando que a disponibilidade atual atenderia às necessidades do meio circulante havendo, contudo, alguma dificuldade decorrente da não recirculação de todas as moedas por parte do público", explicou o Banco Central.

Supermercados reclamam

Com uma demanda por troco elevada, os supermercados do Ceará reclamam da falta de moedas circulando no Estado. De acordo com o vice-presidente da Associação Cearense de Supermercados (Acesu), Nidovando Pinheiro, o problema é comum e muitos estabelecimentos estão recorrendo a padarias, pipoqueiros e lojas de salgados onde há mais disponibilidade de moedas. "Nós estamos tendo muita dificuldade, pedindo aos clientes para ver se eles têm moedas".

Pinheiro também afirmou que já entrou em contato com o BC, mas a instituição informou que há muita demanda do varejo e que o Banco não consegue atender a todos. "Eles não conseguem resolver nossa pendência porque não têm estrutura".

A situação do comércio do Centro de Fortaleza é um pouco diferente. Conforme o presidente do Sindicato do Comércio Varejista e Lojista de Fortaleza (Sindilojas), Cid Alves, o cenário já foi pior. Atualmente, ele diz, há apenas casos pontuais.

"Hoje em dia, nós não temos mais esse problema. O pagamento em moeda plástica é muito grande. Um ou outro estabelecimento reclama, mas nada que preocupe o comércio", afirma Cid Alves.

Estoque

Existem hoje, em circulação, 25,4 bilhões de unidades de moedas (R$ 6,5 bilhões em valor), o que corresponde a uma disponibilidade per capita de 125 unidades por habitante (R$ 32 em valor), segundo os dados divulgados pelo Banco Central.

"Para atender às necessidades de troco (aqui considerado as moedas metálicas e notas de 2 e 5), a área técnica do Banco Central busca administrar os estoques disponíveis com a finalidade de atender de forma mais equânime possível às demandas em âmbito nacional. Podem ocorrer situações transitórias de escassez de troco na rede de distribuição, sobretudo devido às dimensões continentais do País, na ocorrência de alterações em preços que podem levar ao aumento da procura por determinados valores de moedas ou notas", informou.

De acordo com o BC, os recursos disponíveis para aquisição de numerário têm sido crescentes, com prioridade para a oferta de troco, que compreende as moedas metálicas e as cédulas de R$ 2 e R$ 5.

Novas unidades

"Em 2016, foi disponibilizado um total de 761 milhões de unidades de novas moedas, que já se encontram em circulação, 11% superior a 2015, quando foi disponibilizado um total de 685 milhões de unidades. Em 2017, até 30 de novembro, já foram disponibilizados 828 milhões de novas moedas, total já 9% superior a 2016 em termos de quantidades, ainda faltando um mês para o fim do ano", comunicou.

No que diz respeito às cédulas de baixa denominação, o BC disponibilizou em 2016 o quantitativo de 277 milhões de novas cédulas de R$ 2, 124 milhões de novas cédulas de R$ 5 e 134 milhões de novas cédulas de R$ 10. Em 2017, até 30 de novembro, já foram disponibilizados 317 milhões de novas cédulas de R$ 2, 171 milhões de novas cédulas de R$ 5 e 167 milhões de novas cédulas de R$ 10, total já superior a 2016, ainda faltando um mês para o fim do ano.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.