experiência de transformação

Práticas de Medelín são exemplos para o Estado

01:00 · 09.05.2018
Image-0-Artigo-2397689-1
Rota N é responsável pela execução do que é articulado pela Universidade de Antioquia e conta com recursos de US$ 250 milhões ( Foto: Armando de Oliveira Lima )

Medelín. De cidade mais violenta do mundo a distrito de inovação reconhecido internacionalmente, Medelín, na Colômbia, contou com um pacto entre governo, empresários e universidade para transformar a cidade. Essa experiência, apresentada na manhã de ontem (8) à comitiva cearense que percorre o país, deve ser a que mais ajudará no desenvolvimento do modelo de inovação a ser criado no Ceará.

> CE conhece experiências para trabalhar inovação 

"Em tamanho e vocação econômica, sim, é o mais próximo da nossa realidade, mas eles estão bem avançados pela inovação", afirmou o secretário Maia Júnior (Planejamento e Gestão), destacando que a base da economia da cidade é bastante semelhante ao do Ceará, fundamentada em seis eixos temáticos: têxtil/confecção/moda, energia, saúde, construção, turismo e negócios e construção.

Maia discorda apenas de como deve ser gerido o processo, que, em Medelín, envolve um comitê formado por inúmeros representantes de governo, academia e empresários. "O nosso desafio é unir todos. Esse grupo que está comigo vem se reunindo desde que entrei na Secretaria e estamos tentando mudar essa realidade, e precisamos que alguém tenha a atitude de integrar todos", defendeu.

Em apenas quatro anos, a aplicação em inovação de Medelín saltou de 0,7% (2014) do Produto Interno Bruto (PIB) para 2,5% (2018) a partir do pacto entre os agentes, que iniciou envolvendo 800 empresas e, atualmente, conta com o compromisso de 2,5 mil delas - de pequeno, médio e grande porte.

"Queremos que qualquer companhia, de qualquer país, caminhe aqui e encontre o que precisa", observou Carlos Jaramillo, representante da Rota N - centro de inovação de negócios modelo da cidade e 100% público. Atualmente, conta com o orçamento independente e atua na execução do que o chamado Comitê, Empresas e Estado (CUEE) define como prioritário.

Responsável pela execução do que é articulado pela Universidade de Antioquia - agente responsável pela articulação de Estado e empresas em prol da investigação em inovação -, a Rota N conta com recursos da ordem de US$ 250 milhões, alocados em 18 fundos alimentados por empresas parceiras.

Violência

Perguntado se o mercado de segurança não se destacou no processo de inovação com criação de negócios, Jaramillo afirmou que este nunca fez parte dos eixos trabalhados pelo comitê da cidade e contou apenas de um aplicativo para enviar vídeos das redes sociais automaticamente às autoridades da região.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.