esperada desde a copa de 2014

Porto do Mucuripe: dragagem começa neste fim de semana

Previsão da Companhia Docas do Ceará, que administra o terminal, é que a obra fique pronta em até 50 dias

Equipamentos necessários para a dragagem já estão no Porto do Mucuripe ( Foto: Cid Barbosa )
01:00 · 07.07.2018 por Lígia Costa - Repórter
O ministro dos Transportes, Portos e Aviação, Valter Casimiro, assinou, nessa sexta-feira (6), a ordem de serviço para a obra, que está orçada em R$ 20,4 milhões. A dragagem vai receber recursos do governo federal, por meio do Programa Avançar ( Foto: Cid Barbosa )

Aguardada desde a Copa do Mundo de 2014, a obra de dragagem do berço de múltiplo uso (de transporte de passageiros e de cargas) do Porto de Fortaleza, no Mucuripe, será iniciada neste fim de semana. "Sábado ou domingo", aponta o gerente de projetos da Jan de Nul do Brasil Dragagem Ltda., João Brazão. A empresa belga venceu o edital encerrado em 2017 para executar a obra e já enviou ao Mucuripe os três equipamentos necessários: uma retroescavadeira (Draga Mecânica Il Principe) e dois batelões (Batelão Nina e Batelão Santiago).

Diretor-presidente da Companhia Docas do Ceará (CDC), empresa que administra o Porto de Fortaleza, César Augusto Pinheiro estima que a obra fique pronta dentro de até 50 dias. "O edital vai até dezembro, mas queremos fazer em 45 a 50 dias, devendo terminar no fim de agosto. Em seguida, tentaremos aprovar na Marinha para em outubro já começar a receber navios (de grande porte)".

Ordem de serviço

Em solenidade realizada nessa sexta-feira (6), no Terminal de Passageiros do Porto de Fortaleza, o ministro dos Transportes, Portos e Aviação, Valter Casimiro, assinou a ordem de serviço para a dragagem. Orçada em R$ 20,4 milhões, a obra vai receber recursos do governo federal, por meio do Programa Avançar. "Todo o projeto, o conjunto de ações para fazer a dragagem chega em torno de R$ 28 milhões porque, além da dragagem em si, têm as empresas que fazem a verificação, toda a supervisão da obra, o monitoramento do fundo, etc.", detalhou o ministro.

Maior movimentação

Para Pinheiro, a dragagem vai alavancar a economia do Estado, tendo em vista que vai gerar um incremento significativo na movimentação de cargas e de passageiros. "Em 2001, o Ceará movimentou no Porto do Mucuripe 3,5 milhões de toneladas (de cargas) por ano. Com o advento do Porto do Pecém, fechamos 2017 com 5 milhões de toneladas e agora vamos trabalhar para movimentar 8 milhões de toneladas em 2018", projeta. Também presente na solenidade, o presidente da Zona de Processamento e Exportação (ZPE) do Ceará, Mário Lima, ressaltou que a obra da dragagem vai permitir que o Mucuripe se torne efetivamente mais uma opção de porto disponível no Estado, junto ao Pecém. "Isso facilita a concorrência de frete e diminui o risco das operações portuárias porque tem sempre uma alternativa entre Pecém e Mucuripe".

Compondo a mesa do evento, o presidente do Senado, Eunício Oliveira, declarou que o Estado tem hoje o "privilégio" de contar com dois portos, além de ser o único estado do País a ter uma ZPE em pleno funcionamento.

"Turismo e Construção Civil são setores extremamente importantes ao desenvolvimento do Estado e que geram mais rapidamente empregos", disse o senador, referindo-se à maior movimentação de passageiros, após a obra.

Cruzeiros

Embora no terminal de Fortaleza seja priorizado o transporte de pessoas, especialmente nas altas temporadas de cruzeiros - entre outubro a abril do ano subsequente, o local fica apto a receber cargas quando está vazio.

Segundo a Companhia Docas do Ceará, 13 navios cruzeiros atracaram em Fortaleza na temporada 2017/18, transportando cerca 16 mil passageiros/tripulantes. Com a dragagem, a meta é ampliar esse número para 20 navios na próxima alta temporada ( 2018/19), projeta o diretor-presidente da CDC.

O próximo passo, acrescenta Pinheiro, é alinhar com a Secretaria de Turismo do Ceará uma ligação direta entre o Porto do Mucuripe e o Aeroporto de Fortaleza. A ideia é que o turista chegue de avião e volte ao seu país de origem de navio e vice-versa.

Durante a solenidade, o secretário de Turismo do Ceará, Arialdo Pinho, destacou a importância da dragagem para o setor.

"Até agora, temos marcados apenas cinco navios de passageiros (para a próxima alta estação). Mas, com a operação plena do terminal, teremos capacidade de puxar 50 navios por ano para Fortaleza. Isso é um incremento de 80 a 100 mil pessoas passando um dia por aqui",afirmou o secretário.

Intervenção

A obra de dragagem tem como objetivo aumentar de 3 para 13 metros o calado operacional (fundura máxima que os navios podem atingir quando totalmente carregados) do Porto para que fique definitivamente apto a receber grandes embarcações.

Hoje, os grandes navios atracam a 250 metros do terminal e os turistas são transferidos para ônibus, que complementam a logística. Embora a distância seja curta, a caminhada de pessoas no Cais do Porto é proibida por questão de segurança pela Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq).

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.