Em Guaiuba

Polo Industrial Químico é inaugurado hoje

Para o equipamento, investimento é de aproximadamente R$ 10 milhões em obras estruturais

Governador Camilo Santana assinou, em fevereiro do ano passado, a ordem liberando recursos para a criação do equipamento, justificando que fomentará o mercado de trabalho com as oportunidades geradas ( Foto: Ariel Gomes )
01:00 · 25.06.2018 / atualizado às 10:45

Após oito meses de execução, as obras de infraestrutura do Polo Industrial Químico de Guaiúba, na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF), serão inauguradas na tarde desta segunda-feira (25), pelo governador Camilo Santana. Segundo o governo do Estado, o investimento é de aproximadamente R$ 10 milhões em obras estruturais, como a construção de rodovias, pavimentação, drenagem e fornecimento de energia elétrica.

A expectativa é que o Polo receba 27 empresas, gerando dois mil empregos diretos e sete mil indiretos. Na solenidade de inauguração, prevista para as 16 horas, na CE-060, sede de Guaiuba, as empresas irão receber a autorização para a instalação de seus galpões. Do financiamento estadual, R$ 6,9 milhões são da Secretaria da Infraestrutura (Seinfra) e R$ 3,9 milhões da Agência de Desenvolvimento do Estado do Ceará (Adece). Por parte das indústrias, o governo espera receber investimentos da ordem de R$ 95 milhões.

O polo contempla uma área de 42,25 hectares. E o governo ainda irá fornecer 700 metros de redes de alta tensão de 69KV e uma subestação de médio porte, com dois transformadores de MVA. Este serviço será feito pela Enel Distribuição Ceará.

Iniciativa

A iniciativa para a implantação do empreendimento partiu do Sindicato das Indústrias Químicas, Farmacêuticas e da Destilação e Refinação de Petróleo no Estado do Ceará (Sindquímica), e conta com o apoio da Adece, após a instauração da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva da Indústria Química do Estado do Ceará (CS Química). O Sindquímica ficará responsável pela gestão do Condomínio.

Empresas

As primeiras empresas a se instalar no complexo devem ser a Fortfix, Wanaquímica, Daneto, Tá Limpo, Intrapack e a Oswaldo Cruz Química. Além de outras 14 que já confirmaram participação no complexo. Com a operação do polo, espera-se que as empresas sejam beneficiadas com a redução de custos logísticos, uma vez que diferentes empresas da cadeia produtiva estarão em um mesmo local, podendo compartilhar despesas com o transporte de insumos.

Setor

De janeiro a abril, o setor químico cearense importou US$ 82,2 milhões, valor 52% superior ao importado em igual período do ano passado. No entanto, as exportações, quando comparadas com o mesmo período de 2017, registraram queda de 62,7%, alcançando US$ 1,4 milhões.

O saldo da balança comercial do setor ainda apresenta déficit significativo, de US$ 80,9 milhões, visto que esse setor apresenta produtos importados de alto valor agregado.

No ano, as exportações para a Argentina registraram forte queda (87,3%), passando de US$ 2,9 milhões para US$ 375,7 mil no primeiro quadrimestre. China, Índia e Austrália são os principais fornecedores dos produtos importados do setor.

Os dados fazem parte do Estudo Setorial elaborado pelo Centro Internacional de Negócios da Federação das Indústrias do Estado do Ceará (Fiec).

Nos últimos anos, o setor químico cearense vem mostrando um movimento de expansão, com a chegada de grandes investimentos. Em 2017, além do anúncio do Polo Químico, foi anunciada a vinda do grupo Raymundo da Fonte, controlador da Brilux, e a duplicação da Limpa Fácil. As duas empresas devem investir cerca de R$ 66 milhões, com a oferta de 420 empregos diretos e 1.500 indiretos.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.