com avanço em serviços E INDÚSTRIA

PIB do País sobe 0,2% no 2º tri e acumula alta de 1,1% no ano

Considerando o avanço entre abril e junho, foi o sexto resultado positivo, após oito variações negativas

01:00 · 01.09.2018
Image-0-Artigo-2447721-1
A indústria nacional cresceu 1,2% no segundo trimestre deste ano, mesmo patamar alcançado pelo setor de serviços, de acordo com os dados do IBGE
arte

Brasília. O Produto Interno Bruto do Brasil (PIB) - a soma de todas as riquezas produzidas - fechou o segundo trimestre do ano com leve alta de 0,2%. No 1º semestre, o PIB acumula avanço de 1,1%, em relação a igual período do ano passado, depois de ter fechado o segundo semestre do ano passado também em alta: 1,8%. A informação foi divulgada nessa sexta-feira (31) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Entre os setores, o crescimento de 1,4% verificado nos serviços e na indústria compensou a queda de 1,6% registrada na agropecuária. Na indústria, contribuíram para a alta as atividades das indústrias de transformação, que cresceram 2,8%. Por outro lado, a construção e as indústrias extrativas caíram no primeiro semestre do ano, respectivamente, 1,7% e 0,6%. O maior avanço foi no comércio (3,2%). A despesa de consumo das famílias subiu 2,3% e a despesa de consumo do governo caiu 0,3%.

Leia também:
 
> Renda menor e inflação afetam consumo das famílias
 
> Brasil é 'lanterna' em crescimento
 
Abril a junho

No período entre abril, maio e junho deste ano o PIB obteve avanço de 0,2% ante o primeiro trimestre deste ano, na série com ajuste sazonal. Esse foi o sexto resultado positivo após oito variações negativas consecutivas nessa comparação. Em valores correntes, o PIB totalizou R$ 1,693 trilhão.

Os dados indicam que a ligeira alta foi determinada pelo setor de serviços que teve desempenho positivo de 0,3%, enquanto a indústria registrou queda de 0,6% e a agropecuária, estabilidade. Em relação ao segundo trimestre de 2017, o crescimento foi de 1% no segundo trimestre deste ano, o quinto resultado positivo consecutivo nessa comparação. A indústria e os serviços cresceram 1,2%, enquanto a Agropecuária recuou 0,4%.

Em relação à demanda, o consumo das famílias cresceu 1,7% - o quinto trimestre seguido de avanço na comparação com igual trimestre de 2017. No acumulado dos quatro últimos trimestres, o PIB cresceu 1,4% em relação aos quatro trimestres imediatamente anteriores.

Quatro trimestres

O crescimento acumulado da economia brasileira nos quatro últimos trimestres foi de 1,4% em relação aos quatro trimestres imediatamente anteriores. De julho do ano passado até junho deste ano, todos os setores da economia fecharam com resultados positivos, com destaque para os 2% de expansão da agropecuária. A indústria e os serviços cresceram no período 1,4%.

Revisão de resultados

Ao divulgar os resultados da economia brasileira para este segundo trimestre do ano, o IBGE revisou para baixo o resultado do PIB do primeiro trimestre, de 0,4% para 0,1%. Já a alta de 0,2% referente ao quarto trimestre de 2017 foi revisada para estagnação (0%). A alta de 0,3% do terceiro trimestre do ano passado, no entanto, virou crescimento de 0,6%.

OPINIÃO DO ESPECIALISTA

Crescimento se apresenta de forma lenta

Estes resultados indicam a manutenção da retomada de crescimento iniciada no segundo semestre de 2017, porém o ritmo deste crescimento ainda se apresenta de forma muito lenta. Apesar da queda recente na taxa de desemprego, o nível da taxa ainda permanece muito alta, assim como o nível de endividamento das famílias. O nível de confiança das empresas permanecerá baixo até o final do resultado das eleições e as primeiras medidas anunciadas pelo futuro presidente eleito. Portanto, o aumento do investimento privado, que reaquecerá o mercado de trabalho e proporcionará um aumento do consumo das famílias, deve apresentar um ritmo maior apenas em 2019. Dado este comportamento espera-se uma projeção de crescimento do PIB do Brasil para 2018 de 1,47%, segundo a última divulgação do relatório Focus do Banco Central do Brasil. Quanto ao PIB do Ceará do segundo trimestre de 2018, estamos na fase inicial do cálculo.

Nicolino Trompieri - Coordenador de contas regionais do Ipece

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.