Prejuízos

Vendas do varejo cearense caem 15% no fim de semana da greve dos caminhoneiros

Análise é baseada na emissão da nota fiscal eletrônica (NFC-e) em quatro segmentos

13:57 · 30.05.2018 / atualizado às 14:50
posto
Como já era esperado, o principal segmento afetado foi o de postos de combustíveis, que viram suas vendas caírem em 49%, impactado principalmente pelo desabastecimento das bombas nos últimos dias ( Foto: Arquivo )
arte

Atingido nesta quarta-feira (30) seu 10º dia, a paralisação nacional dos caminhoneiros tem trazido prejuízos ao setor produtivo cearense, e com o varejo não é diferente. De acordo com um levantamento feito pela Linx, empresa de software de gestão, as vendas caíram 15% no Estado somente no último fim de semana (26 e 27 de maio), o primeiro desde o início da greve.

Conforme a pesquisa, realizada com base na emissão da nota fiscal eletrônica (NFC-e) dos segmentos de postos de combustíveis, automotivo, food service e shopping centers, o prejuízo se deu em comparação com o fim de semana imediatamente anterior à greve (dias 19 e 20). Conforme a Linx, a Bahia foi o estado nordestino que mais sofreu com a paralisação nacional, já que registrou queda de 50% nas vendas do varejo.

Além do varejo, o Ceará também tem registrado impactos negativos em setores como indústria e agropecuária. O presidente do Sindicato dos Lojistas de Fortaleza (Sindilojas), Cid Alves, já revelou que as lojas físicas da cidade estão sofrendo uma queda significativa no movimento. Nos oito primeiros dias da greve, por exemplo, o faturamento das vendas caiu pela metade, se comparado a igual período sem greve, informou.

Leia ainda:

Queda de 38% no Brasil

Nacionalmente, as vendas do varejo caíram 38% no último fim de semana, informou a Linx. Como já era esperado, o principal segmento afetado foi o de postos de combustíveis, que viram suas vendas caírem em 49%, impactado principalmente pelo desabastecimento das bombas nos últimos dias.

Outro segmento bastante afetado foi o automotivo, que vendeu 30% menos no período analisado. O setor alimentício, por sua vez, apresentou baixa de 27%, enquanto os shopping centers perderam 25% das vendas.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.