Ante março de 2017

Produção industrial do Ceará cresce 2,4% em março, diz IBGE

O resultado ficou acima do patamar nacional, que avançou 1,3% na mesma base de comparação

10:26 · 09.05.2018 / atualizado às 11:15 por Redação Diário do Nordeste
Produção Industrial
Dos 15 locais pesquisados, apenas seis, incluindo o Ceará, apresentaram variações positivas. ( Kid Junior )

A produção industial do Ceará registrou crescimento de 2,4% em março na comparação com o mesmo mês do ano passado, na série sem ajuste sazonal. É o que revela a Pesquisa Industrial Mensal divulgada nesta quarta-feira (09) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O resultado ficou acima do patamar nacional, que avançou 1,3% na mesma base de comparação. Dos 15 locais pesquisados, apenas seis, incluindo o Ceará, apresentaram variações positivas.

Já na comparação entre março e fevereiro deste ano, a produção industrial cearense registrou leve queda de 0,2%. Ainda assim, foi a menor queda observada nessa edição do levantamento.

Em todo o País, a produção fabril recuou em oito dos 15 locais pesquisados pelo IBGE de fevereiro para março deste ano. A principal queda ocorreu na Bahia (-4,5%), seguida por Rio de Janeiro (-3,7%) e pela Região Nordeste (-3,6%).

Outros locais com diminuição na produção de fevereiro para março foram: Santa Catarina (-1,2%), Rio Grande do Sul (-0,9%), Paraná (-0,9%), Minas Gerais (-0,5%) e o Ceará (-0,2%).
 
Principal queda ocorreu na Bahia (-4,5%), seguida pelo Rio de Janeiro (-3,7%) e Região Nordeste (-3,6%)    (Amanda Oliveira/GovBA)
Sete estados tiveram alta na produção: Pará (9%), Mato Grosso (4,7%), Espírito Santo (2,8%), Amazonas (2,6%), São Paulo (2%), Goiás (1,2%) e Pernambuco (0,2%).
 
Na comparação com março de 2017, oito locais acusaram queda (com destaque para Bahia: -5,3%) e sete tiveram alta. No Amazonas, o avanço foi de 24,3%.
 
Acumulados
 
Já nos acumulados do ano e de 12 meses, houve mais alta do que queda. No acumulado do ano, houve crescimentos em dez locais, inclusive, no Amazonas, com alta de 24,4%, e recuos em cinco locais. No Espírito Santo, -6%.
 
No acumulado de 12 meses, onze locais acusaram alta. O melhor resultado foi obtido pelo Pará: expansão de 10,1%. Quatro locais apresentaram queda na produção. O pior resultado ocorreu em Pernambuco: -2%.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.