Último feriadão do ano

Feriado da Proclamação da República deve movimentar o turismo em Fortaleza

A estimativa da rede hoteleira para o período é de 70% de ocupação, número número positivo uma vez que o feriado será na quarta-feira (15)

13:20 · 14.11.2017 / atualizado às 13:24 por Redação Diário do Nordeste
Feriado Proclamação da República
De janeiro a outubro deste ano, cerca de 4,9 milhões de pessoas embarcaram e desembarcaram no Aeroporto Pinto Martins, quase 4% a mais que o mesmo período de 2016, quando 4,71 milhões de visitantes vieram para a capital.

O feriado da Proclamação da República deve trazer muitos turistas para a capital. De acordo com a Associação Brasileira da Indústria de Hotéis do Ceará (ABIH-Ce), a estimativa da taxa de ocupação para o período é de 70%, um número positivo uma vez que o feriado será na quarta-feira (15).

O Mercado Central funciona normalmente durante a data, das 8h às 16h. A Monsenhor Tabosa estará fechada e só retornará as atividades na quinta-feira (16).

Este é o último feriadão de 2017. De acordo com os dados divulgados no início do ano pelo Ministério do Turismo, essas datas incrementariam cerca de R$ 21 bilhões para a economia do país. A estimativa não incluiu períodos tradicionais de alta movimentação nos aeroportos, rodoviárias e rodovias, como o Carnaval, a Semana Santa, o Natal e o Réveillon.

De janeiro a outubro deste ano, cerca de 4,9 milhões de pessoas embarcaram e desembarcaram no Aeroporto Pinto Martins, quase 4% a mais que o mesmo período de 2016, quando 4,71 milhões de visitantes vieram para a capital.

Segundo dados do estudo de Sondagem do Consumidor, realizado pelo Ministério do Turismo (MTur), em outubro, a intenção de viagem do brasileiro para os próximos seis meses atingiu o percentual de 26,5%, um acréscimo de 2% em relação ao mesmo período do ano anterior. A Região Nordeste permanece como a mais desejada pelos turistas, com 49% das preferências, quase 5% a mais que em 2016. A Região Sudeste ficou em segundo lugar com 23,4% das intenções de visitas, seguidas pelo Sul (14,3%), Centro-Oeste (8,7%) e Norte (4,6%).

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.