Diz Fecomércio-CE

Endividamento do consumidor de Fortaleza sobe em setembro

Apesar do aumento na taxa geral de endividamento, a proporção de consumidores com contas ou dívidas em atraso passou de 20,9% em agosto, para 18,8% neste mês

09:57 · 13.09.2017 / atualizado às 16:10 por Redação Diário do Nordeste
Endividamento do consumidor de Fortaleza
O cartão de crédito continua sendo o principal recurso para comprar a prazo, sendo indicado por 78,9% dos entrevistados no levantamento.

O endividamento do consumidor de Fortaleza e Região Metropolitana (RMF) subiu em setembro ante agosto ao passar de 63,7% no mês passado para 66,4% neste mês. Quando comparado a igual período de 2016, quando 64% dos consumidores da RMF possuiam algum tipo de dívida, o endividamento também cresceu 2,4 pontos percentuais.

Os dados são da pesquisa Perfil de Endividamento do Consumidor de Fortaleza divulgada esta quarta-feira (13) pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Ceará (Fecomércio-CE). Apesar do aumento na taxa geral de endividamento, a proporção de consumidores com contas ou dívidas em atraso passou de 20,9% em agosto, para 18,8% neste mês.

O tempo médio de atraso é de 65 dias e a principal justificativa para o não pagamento das dívidas é o desequilíbrio financeiro - a diferença entre a renda e os gastos correntes – citado por 57,6% dos consumidores.

O segundo motivo mais citado pelos fortalezenses na pesquisa é o adiamento por conta do uso dos recursos em outras finalidades, com 30,1%, seguido da contestação da dívida (11,7%).

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.