Movimento de correção

Dólar fica estável ante real e encerra a R$ 4,15

No cenário interno, denúncia do Ministério Público de São Paulo contra o candidato a vice-presidente Fernando Haddad (PT) impactou o mercado

17:29 · 04.09.2018 / atualizado às 17:34

Após ter encostado no patamar de R$ 4,20 no início do dia, o dólar não sustentou a trajetória de alta e encerrou a sessão desta terça-feira (4) praticamente estável, com leve variação de 0,03%, a R$ 4,1531. Durante o dia, os investidores seguiram atentos o cenário eleitoral local e, na cena externa, as tensões comerciais envolvendo os EUA continuaram em foco.

Além disso, a situação econômica da Argentina também esteve no radar, com medidas anunciadas pelo governo de Macri na tentativa de equilibrar o orçamento. Com o resultado do dólar comercial, o dólar futuro também ficou estável. Na mínima do dia, a moeda dos EUA chegou a tocar os R$ 4,1384. Na máxima, chegou a R$ 4,1947.

O dólar subiu fortemente ante uma cesta de moedas de países emergentes. Em relação ao peso argentino, o dólar chegou a saltar 3% perto do fechamento doméstico.

Durante a manhã, o dólar chegou a subir fortemente, mas o movimento abrandou após a notícia da denúncia do Ministério Público de São Paulo contra o candidato a vice-presidente Fernando Haddad (PT), por corrupção na campanha eleitoral em 2012.

Banco Central

O Banco Central manteve a oferta e venda integral de 10,9 mil swaps cambiais tradicionais, equivalentes à venda futura de dólares. Assim, a autoridade monetária já rolou US$ 1,09 bilhão de US$ 9,801 bilhões com vencimento para outubro.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.