Por suspensão

Após reunião, CNA cobra que Justiça aprecie liminar contra tabela de fretes

Entidade protesta que tabelamento provocará alta nos preços de produtos

20:08 · 28.06.2018 por Estadao Conteudo
Luiz Fux
A CNA alega que a medida se deve à falta de acordo na audiência realizada com o ministro Luiz Fux, com a participação de caminhoneiros e do setor produtivo

A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) defendeu, em nota distribuída nesta quinta-feira (28), a urgente apreciação da liminar para que o Supremo Tribunal Federal (STF) suspenda o tabelamento dos preços mínimos do frete na ação protocolada pela própria entidade na Suprema Corte há duas semanas.

A CNA alega que a medida se deve à falta de acordo na audiência realizada nesta quinta com o ministro Luiz Fux, com a participação de caminhoneiros e do setor produtivo. "É uma situação insustentável, que clama por imediata intervenção do Poder Judiciário", diz a CNA na ação. "Não tivemos acordo e insistimos com o ministro a necessidade de se avaliar a liminar de forma rápida porque já está tendo impacto gigante na cesta básica, ou seja, na mesa da população brasileira", ressaltou o chefe da Assessoria Jurídica da CNA, Rudy Maia Ferraz.

A CNA projeta que o tabelamento do transporte provocará uma alta de 12,1% no preço dos produtos da cesta básica até julho, impactando produtos como arroz, carnes, feijão, leite, ovos, tubérculos, frutas e legumes. Esses produtos representam 90,4% da cesta básica de alimentos. 

Fux, relator das ações que questionam o tabelamento do frete no STF, vai realizar audiência pública no dia 27 de agosto para discutir o tema e só depois vai tomar uma decisão. A CNA defende que a liminar seja concedida ainda nesta semana, uma vez que o Judiciário terá recesso no mês de julho.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.