Obras da Transnordestina no Ceará em ritmo não adequado - Negócios - Diário do Nordeste

acúmulo de atrasos

Obras da Transnordestina no Ceará em ritmo não adequado

26.11.2013

O empreendimento tem como restrição a rescisão de contrato entre a concessionária e a construtora da obra

Na última sexta-feira, Dilma Rousseff afirmou à imprensa, em Fortaleza, que as obras da Nova Transnordestina não estão paradas. A presidente da República defendeu que elas estariam "andando", sem, entretanto, dar mais detalhes do status do empreendimento. Contudo, o último balanço do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2) mostra que o andamento da ferrovia não está como o esperado. Como resultado, o projeto, que já acumula anos de atrasos, perdeu o carimbo de andamento "adequado" para ganhar a condição de "atenção".

O balanço do PAC2 aponta a retomada do ritmo normal até o fim deste mês. FOTO: ELIZÂNGELA SANTOS

De acordo com o documento, o empreendimento tem como restrição a rescisão de contrato entre a concessionária e a construtora responsável pela obra. Aponta, todavia, como providência a retomada do ritmo normal de obras até o fim deste mês de novembro, ou seja, até o fim desta semana. Procurada pela reportagem, a Transnordestina Logística S.A. (TLSA), empresa ligada à Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) e responsável pela obra, não deu retorno até o término desta edição.

No último dia 20 de setembro, a Agência Nacional dos Transportes Terrestres (ANTT) assinou junto à TLSA aditivo contratual, definindo a prorrogação da conclusão da ferrovia de dezembro de 2015 para setembro de 2016. Como a previsão original era de que a ferrovia tivesse sido entregue em dezembro de 2010, o atraso chega a 69 meses. Inicialmente orçado em R$ 4,8 bilhões, o projeto está, atualmente, estimado em R$ 8,2 bilhões.

O trecho mais atrasado é exatamente o que está no Ceará, de Missão Velha ao Pecém, que também é o maior de toda a ferrovia, com 527 quilômetros de extensão. De acordo com o oitavo balanço do PAC 2, lançado no mês passado, o trecho possui apenas 4% de sua infraestrutura prontos e 3% das obras de arte especiais (OAEs). O novo cronograma prevê que este trecho seja entregue até o dia 30 de setembro de 2016.

Porto do Pecém

No mês passado, o governador Cid Gomes chegou a informar que iria fazer um aditivo no valor de R$ 110 milhões no projeto de ampliação do Porto do Pecém para a construção de um novo berço para escoamento dos produtos transportados pela Transnordestina. A condição para isso, apresentada ao presidente da CSN, Benjamin Steinbruch, seria a retomada das obras da ferrovia no Ceará.

O menor dos trechos, que leva de Salgueiro (Pernambuco) a Missão Velha, de 96 quilômetros, é o único que se encontra concluído. Outro, de Salgueiro a Trindade (PE), de 163 quilômetros, encontrava-se próximo da finalização, segundo o balanço, com 99% da infraestrutura terminados, 98% das OAEs e 70% da superestrutura. A previsão é de conclusão até 30 de setembro de 2014.

O que vai de Trindade a Eliseu Martins (Piauí), de 420 quilômetros, tinha 42% da infraestrutura e 35% das OEAs, de acordo com o balanço, e o de Salgueiro a Suape (PE), de 306 quilômetros, estava com 55% da infraestrutura, 53% das OAEs e 35% da superestrutura. Ambos têm expectativa de entrega conclusão até 30 de junho de 2016.

A ferrovia Nova Transnordestina é um dos maiores projetos em curso do governo federal, ligando os portos de Pecém (Ceará) e Suape (Pernambuco) ao cerrado do Piauí, no município de Eliseu Martins, com 1.728 quilômetros de extensão.

SÉRGIO DE SOUSA
REPÓRTER

Comente essa matéria


Editora Verdes Mares Ltda.

Praça da Imprensa Chanceler Edson Queiroz. Bairro: Dionísio Torres

Fone: (85) 3266.9999

X Fechar

Desejas compartilhar o conteúdo do Diário do Nordeste?

Utilize o link da notícia ou as ferramentas presentes na página.