manutenção do preço

Mudança pode afetar competitividade

01:00 · 07.09.2018

Rio. Como formadora de preço, a Petrobras não tem motivo para fazer hegde no mercado interno, porque não tem do que se defender, analisou a pesquisadora da Fundação Getúlio Vargas Energia, Fernanda Delgado, que viu na decisão anunciada ontem pela estatal, de segurar o preço da gasolina por até 15 dias para reduzir a volatilidade, um sinal perigoso para a competitividade do mercado. "Não faz sentido uma empresa monopolista fazer hedge. Quando você controla preço, seja do jeito que for, você não traz competitividade para o mercado. Isso desconstrói a confiança dos investidores, porque a qualquer problema o governo vem e interfere", avaliou Fernanda Delgado.

> Nova política da Petrobras altera preços da gasolina em até 15 dias

A Petrobras vem praticando desde julho do ano passado o ajuste de preços de acordo com o mercado internacional, com variações quase diárias, dando fim a uma política que não repassava a volatilidade dos preços para o mercado interno, mas que trouxe prejuízo para a empresa. Por causa da greve dos caminhoneiros, a estatal reduziu e depois congelou os preços do diesel em troca de subsídio do governo. Até hoje, o governo não reembolsou a estatal, alegando demora na análise no grande volume de notas fiscais.

Refino

A pesquisadora diz que o mercado de combustíveis só conseguirá reduzir os preços quando houver competitividade no refino do petróleo, o que está sendo desconstruído com medidas como a tomada pela Petrobras.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.