neste ano

Metalurgia abre vagas e vê avanço de até 30%

Na Aço Cearense, foram abertos 200 postos de trabalho. A previsão de faturamento é de R$ 2,5 bilhões em 2017

O faturamento registrado pela Aço Cearense no ano de 2016 foi de R$ 1,9 bilhão. A expectativa é fechar o primeiro semestre deste ano com alta de 12% a 15% em relação a igual período do ano passado ( Foto: Thiago Gadelha )
00:00 · 18.03.2017

Até o fim deste ano, a Aço Cearense deve contratar cerca de 200 novos colaboradores, e o processo de seleção já teve início, de acordo com o diretor financeiro, Tom Arrais. "A indústria brasileira ainda trabalha com um nível de ociosidade muito alto e, dessa forma, ainda não há necessidade de novos investimentos. Há, no entanto, a necessidade de novas contratações para trabalhar em máquinas que estavam ociosas", justifica.

LEIA MAIS

.Setores da indústria cearense começam a mostrar reação

.Produção têxtil inicia o ano com alta de 38,8%

.Alimentos funcionais e naturais têm maior demanda

.Mercado externo ameniza a crise

.Setor químico investe em eficiência e redução de custo

.Confiança sobe e é a maior desde 2014

A previsão de faturamento, para 2017, segundo o executivo, é de R$ 2,5 bilhões. Um crescimento de mais de 30% em relação a 2016, quando o faturamento registrado foi de R$ 1,9 bilhão. "Temos uma expectativa de crescimento um pouco maior no segundo trimestre do ano, fechando assim o primeiro semestre com um crescimento de 12% a 15% no faturamento em relação ao mesmo período do ano passado", informa Arrais.

Expectativa

Para o segundo semestre, a perspectiva é um pouco mais otimista devido às reduções das taxas de juros, que desde dezembro do ano passado vêm ocorrendo. "Acreditamos que o efeito retardado positivo dessas quedas para nós será nesse segundo semestre. Dessa forma, esperamos fechar o ano com um crescimento no faturamento de cerca de 30%", detalha.

Retorno nacional

Arrais entende que o mercado, incluindo o do aço, começou a reagir ainda de maneira tímida, mas sensível, especialmente a partir de janeiro deste ano. "Sentimos isso pelo aumento de pedidos em toda a nossa base nacional. Essa tendência de aumento já nos anima e nos leva a uma perspectiva de crescimento otimista", comemora.

O primeiro bimestre foi dentro do planejado, com um desempenho melhor que em 2016. "Neste primeiro trimestre de 2017, estamos tendo um crescimento, em média, de 8% em relação ao mesmo período do ano anterior", conta.

Siderurgia

O presidente do Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico no Estado do Ceará (Simec), Sampaio Filho, considera que, em um momento de excesso de produção mundial de produtos siderúrgicos, o Ceará tem se destacado recebendo investimentos expressivos no setor. O aumento registrado em janeiro foi de 5,5%, segundo dados da Federação das Indústrias do Ceará (Fiec).

"Estes investimentos amenizaram o efeito da crise e contribuem para a economia do Estado, sobretudo para elevação de nossas exportações, ponto essencial para acelerar a recuperação econômica do País".

Ainda no primeiro semestre, as exportações do Estado devem dobrar, sobretudo pela intensificação das exportações de aço e de máquinas e equipamentos elétricos, garantindo uma posição de destaque do segmento eletrometalmecânico, que deve responder por metade das exportações cearenses, informa Sampaio Filho. (CK)

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.