ABRIL A JUNHO

Lucro do Banco do Brasil sobe 22,3%

01:00 · 10.08.2018
Banco do Brasil
BB vendeu mais de R$ 5 bilhões em consórcios durante os primeiros seis meses de 2018 ( Foto: ALEX PIMENTEL )

São Paulo. O lucro líquido ajustado do Banco do Brasil (BB) - que exclui efeitos extraordinários de receitas e custos - no segundo trimestre de 2018 foi de R$ 3,2 bilhões, um crescimento de 7,1% na comparação com o primeiro trimestre deste ano, e de 22,3% em relação ao segundo trimestre de 2017.

Considerando o primeiro semestre de 2018, o lucro líquido ajustado foi de R$ 6,3 bilhões. O valor divulgado nessa quinta-feira (9) representa alta de 21,4% em relação ao mesmo período do ano anterior. O banco atribuiu o resultado ao aumento das rendas de tarifas, ao controle das despesas administrativas e às menores provisões contra calote. Em queda pelo quarto trimestre consecutivo, a inadimplência atingiu 3,34% no segundo trimestre de 2018.

Segundo a instituição, nesses primeiros seis meses houve crescimento das rendas de tarifas influenciadas principalmente pela linha de conta corrente. Entre os destaques, está o aumento das receitas com pacote de serviços e as tarifas relacionadas à administração de fundos, que representaram aumento de 13,2%.

Ainda durante o primeiro semestre, o BB vendeu de mais de R$ 5 bilhões em consórcios. O volume representa 59% de todo o montante negociado pela modalidade em todo o ano anterior -um crescimento de 27% em relação ao mesmo período de 2017.

Instituições privadas

Na última semana, o Itaú Unibanco divulgou que teve lucro líquido recorrente de R$ 6,38 bilhões no segundo trimestre deste ano, alta de 3,5% ante igual período de 2017, mas com recuo de 0,6% na medição sequencial. As receitas maiores nas áreas de tarifas, crédito e vendas de carteiras compensaram os efeitos do aumento de despesas com provisões para perdas com inadimplência.

O banco espanhol Santander anunciou também no fim de julho que teve lucro de R$ 3,025 bilhões no segundo semestre de 2018, com crescimento de 29,5% em relação ao mesmo intervalo do ano anterior.

Já o lucro do Bradesco cresceu 10% neste ano em relação ao segundo trimestre de 2017, e foi a R$ 5,161 bilhões. "Crescemos no crédito para as famílias e empresas, reduzimos inadimplência e construímos um balanço bastante saudável", afirmou Octavio de Lazari Junior, presidente do Bradesco.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.