R$ 85,38 milhões

Lucro da Enel cai 15,6% no 1º trimestre de 2018

Levantamento aponta R$ 15 milhões a menos em relação ao resultado para o igual período do ano passado

01:00 · 04.05.2018
Image-0-Artigo-2395971-1
Segundo o Country Manager da Enel Brasil, a empresa deverá focar investimentos na modernização da rede de distribuição ( Foto: Kid Junior )

A diretoria da Enel Distribuição Ceará divulgou ontem (3) o resultado financeiro da companhia, referente ao primeiro trimestre de 2018, e relatório indicou uma queda de 15,6% do lucro líquido ante o mesmo período do ano passado. A flutuação representa uma um diminuição de R$ 15,76 milhões, com a empresa lucrando R$ 85,38 milhões nos três primeiros meses de 2018. Em 2017, o valor foi de R$ 101,14 milhões.

A Enel também registrou um decremento de 11,5% no Ebitda (sigla em inglês para lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização), índice bastante usado pelos empresários e administradores para avaliar o rendimento de uma empresa como um todo. No primeiro trimestre de 2018, a Enel acumulou um Ebitda de R$ 170,57 milhões, cerca de R$ 22 milhões a menos do no mesmo período de 2017 (R$ 192,75 milhões). O Ebit (lucros antes de juros e impostos, na sigla em inglês) também teve queda, de 19,2%, atingindo o patamar de R$ 122,13 milhões no primeiro trimestre de 2018.

De acordo com a Enel, o encolhimento do lucro líquido se deu justamente como reflexo do resultado do Ebit. No entanto, dois índices do relatório enviado pela companhia apresentaram variações positivas, a Receita Bruta (3,3%), que passou de R$ 1,520 bilhão para R$ 1,569 bilhão; e os investimentos, que tiveram incremento de 19,5%, somando R$ 151,64 milhões. Ambos para o primeiro trimestre de 2018.

Melhorias

Carlo Zorzoli, Country Manager da Enel Brasil, afirmou que o maior nível de investimentos representa uma postura da empresa para modernizar a rede de distribuição e melhorar os indicadores de qualidade.

"Continuamos investindo no Ceará com o objetivo de acelerar novas conexões, bem como modernizar a rede de distribuição e melhorar ainda mais nossos indicadores de qualidade, que já são considerados referência no Brasil e reconhecidos pelos nossos consumidores aumento nos custos, que impactou os resultados no primeiro trimestre de 2018, deve-se, principalmente, ao incremento das atividades de manutenção para assegurar que a qualidade do serviço seja preservada ao longo do tempo", disse.

A dívida líquida da Enel, no entanto, aumentou para R$ 1,254 bilhão nos três primeiros meses deste ano. O resultado é uma variação de 35,1% ante os R$ 928,38 milhões do primeiro trimestre de 2017.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.