EM JULHO

Indústria cearense volta a crescer

01:00 · 25.08.2018
fábrica
Apesar da melhora, não há expectativa para alta no número de empregos no setor industrial ( Foto: CID BARBOSA )

Acumulando três meses consecutivos de queda, o índice de produção da indústria cearense registrou alta em julho, dando indícios que o setor está começando a apresentar sinais de recuperação após os efeitos da greve dos caminhoneiros. Segundo a Sondagem Industrial deste mês, pesquisa elaborada pelo Núcleo de Economia e Estratégia da Federação das Indústrias do Estado do Ceará (FIEC), em parceria com a Confederação Nacional da Indústria (CNI), o índice registrou 52,8 pontos. O resultado acima da linha de 50 pontos mostra aumento da produção industrial na comparação com junho.

Já o indicador de Utilização da capacidade instalada da indústria cearense retornou ao patamar observado no período anterior à paralisação nas rodovias durante a greve dos caminhoneiros, apesar de ainda sinalizar que o setor industrial opera com capacidade instalada abaixo do usual para o mês. Por sua vez, os estoques de bens industriais situaram-se conforme o volume planejado para julho e não foi observada variação relevante no número de empregados alocados na produção. Os índices de Utilização da capacidade instalada do Ceará e do Brasil registraram 42,2 e 44,1 pontos em julho, respectivamente.

Já sobre as expectativas do setor, as projeções dos industriais do Ceará sinalizam um cenário de crescimento ao longo do próximo semestre. A possível evolução é referente à demanda por produtos manufaturados, à compra de matérias-primas e às exportações que poderão ser registradas no período. No entanto, com relação ao número de empregados na indústria, não há perspectiva de expansão no quadro de funcionários.

Investimentos 

Ainda de acordo com a Sondagem Industrial deste mês, o índice de intenção de investimentos do Ceará assinalou 56,7 pontos em agosto, correspondendo a um crescimento de 4,4 pontos em comparação a julho. Apesar da evolução, o indicador ainda está bem abaixo do ideal para a expansão da capacidade produtiva para o setor.

A alta capacidade ociosa do parque industrial e o cenário de incerteza macroeconômica e política para os próximos meses configuram-se como os principais fatores desestimulantes para a realização de investimentos na esfera produtiva cearense 

O indicador cearense anotou 56,7 pontos, ainda se situada abaixo dos patamares anteriores à crise econômica, iniciada há cerca de 4 anos.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.