Neste mês

Fortaleza entra na rota de novos voos domésticos

00:30 · 10.04.2013
A movimentação deve aumentar a partir do dia 15, quando a Trip passa a operar dois novos voos diários

Fortaleza deve fazer parte do destino - ou, pelo menos, da passagem - de cada vez mais brasileiros. O motivo é o aumento do número de voos domésticos que têm o Aeroporto Internacional Pinto Martins como ponto de parada. Ao todo, de acordo com levantamento da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), são seis novas rotas - duas da Trip e quatro da TAM -, nas quais a Capital cearense faz parte da rota.

Fortaleza conta com dez operações internacionais diárias, sendo a maior da TAP FOTO: VIVIANE PINHEIRO


Os embarques e desembarques de mais passageiros devem começar ainda em abril, a partir do próximo dia 15, quando a Trip passa a operar dois novos voos diários no Ceará.

Já os da TAM devem começar a descer por aqui apenas em julho, no dia 1º, início da alta temporada do turismo, período no qual as férias escolares acontecem no Brasil. Dos quatro, dois serão diários, um deverá ser apenas no sábado e outro apenas no domingo. A movimentação de passageiros esperada, no entanto, ainda não foi definida, pois o tipo de aeronaves e a capacidade delas não foi revelado pela Infraero. O Pinto Martins conta, atualmente, com 136 voos domésticos, dos quais a TAM tem a maioria da operação, com 57 voos. Os demais são de responsabilidade da Gol (49), Azul (20) e Avianca (10).

Destinos e origens

Entre os possíveis destinos que os cearenses poderão ter ou os turistas que o Estado poderá receber a partir das novas linhas da Trip, figuram apenas capitais nordestinas. Estão na lista de cidades onde a rota pousa: Salvador, Maceió e João Pessoa.

Já nos esperados para pousarem por aqui em julho, pela TAM, quatro - das cinco regiões brasileiras - estão incluídas na passagem da aeronave. Os aviões da companhia devem percorrer, além de Fortaleza, Curitiba, Manaus, Salvador e Porto Alegre.

Expectativa

A reportagem ainda apurou que a Azul Linhas Aéreas estaria planejando uma nova rota para o aeroporto Pinto Martins, assim como a companhia africana Transportes Aéreos Cabo Verde (TACV). Ambas já operam no terminal e têm interesse em aumentar os voos. No entanto, apesar de o destino Ceará ser ´vendido´ no exterior e da iminência da Copa das Confederações - que ocorrerá em junho e tem Fortaleza como cidade-sede -, nenhum novo voo internacional é confirmado pela Infraero.

De acordo com a assessoria de imprensa da empresa que administra o aeroporto, setores responsáveis pela consulta de novas rotas não confirmaram nenhuma nova companhia aérea interessada.

Atualmente, o Pinto Martins conta com 10 operações internacionais diárias. A maior parte delas é de responsabilidade da Transportes Aéreos Portugal (TAP), que tem dois voos diariamente exceto às quinta-feiras.

Os demais voos são operados pontualmente pelas companhias, como a TUI Air Lines, que possui dois voos (ida e volta) às terças-feiras; a Air Italy, com dois voos às sextas-feiras; e a Transportes Aéreos Cabo Verde (TACV), com dois voos às quintas-feiras. Já a mais nova companhia aérea em operação no aeroporto de Fortaleza, a Alitalia, possui dois voos às segundas e quartas-feiras.

Turistas estrangeiros

De janeiro a março deste ano, o número de estrangeiros que desembarcaram no Ceará cresceu 27,69% em relação ao mesmo período do ano passado, segundo levantamento da Secretaria de Turismo do Estado (Setur).

Os maiores emissores foram Itália (26,31%), Portugal (18,14%), Estados Unidos (5,54%), França (5,21%), Filipinas (5,2%) e Espanha (3,91%). Para o levantamento, a Setur considera os visitantes que chegaram via Aeroporto Internacional Pinto Martins ou portos do Pecém e do Mucuripe.

Aeroporto com 17,5% das obras

A data anunciada pela Infraero para que sejam finalizadas as reformas nas vias de acesso ao aeroporto é setembro deste ano FOTO: RODRIGO CARVALHO

Em curso desde junho do ano passado, as obras de ampliação do Aeroporto Internacional Pinto Martins encontram-se com 17,5% do total concluído, de acordo com o acompanhamento mensal realizado pela Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária, a Infraero - responsável pela administração do terminal. O investimento, que faz parte dos esforços federais para a Copa do Mundo de Futebol, conta com R$ 336,6 milhões e está divido em duas fases: uma a ser concluída em dezembro deste ano e outra em fevereiro de 2017.

Dentro da lista de entrega para este ano, o pátio remoto de desembarque já teve toda a terraplanagem e toda a drenagem concluídas. Atualmente, segundo informações da assessoria da Infraero "estão sendo colocadas as placas de concreto, o que, na prática, é o piso definitivo".

A data de entrega desta parte das obras pelo consórcio CPM Novo Fortaleza, segundo a assessoria, é maio próximo.

Terminal com fundações

De maior porte, mas também prevista para finalizar no início do próximo ano, o terminal de passageiros teve a escavação da área destinada a ele totalmente concluída. Agora, já tem montada a estrutura de concreto que será a base dos fundamentos da construção.

Parte viária em setembro

Já o impacto sobre a movimentação no terminal de Fortaleza foi avaliado como maior, segundo a assessoria. O diagnóstico deve-se às intervenções realizadas nas vias de acesso ao Pinto Martins.

Além do primeiro desvio - instaurado no início do ano e que atingia, principalmente, a entrada do aeroporto -, no começo de abril, foi feito mais uma intervenção na parte viária. Com esta, os veículos de saída do Pinto Martins foram afetados.

O acompanhamento da administração do equipamento aponta que as primeiras construções encontram-se na etapa de drenagem do terreno, enquanto as posteriores ainda passam por um dos processos iniciais: a terraplanagem.

A data anunciada pela Infraero para finalizar as reformas nas vias de acesso ao aeroporto, no entanto, é setembro deste ano, pois também fazem parte da primeira fase de ampliação estabelecida no projeto executivo licitado.

ARMANDO DE OLIVEIRA LIMA
REPÓRTER

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.