Em todos os setores

Famílias cearenses vão movimentar R$ 84,22 bi em consumo neste ano

01:09 · 24.04.2013
Dentre as cidades cearenses, Fortaleza se destaca com despesas das famílias no valor estimado de R$ 38 bi

O potencial de consumo dos cearenses deverá ultrapassar a faixa de R$ 84,22 bilhões, em 2013, de acordo com as projeções da IPC Marketing Editora no estudo IPC Maps, que calcula anualmente os índices de potencial de consumo de 5.565 municípios brasileiros. Dentre os 184 municípios cearenses, Fortaleza se destaca, liderando o potencial de consumo.

A estimativa é que as despesas das famílias fortalezenses cheguem a R$ 38,01 bilhões só neste ano. Em relação às outras cidades do País, a Capital cearense continua se posicionando como o oitavo mercado consumidor em potencial. No comparativo com as demais capitais nordestinas, Fortaleza perde apenas para Salvador, que superou Curitiba ocupando o quinto lugar do Brasil, com potencial de consumo projetado em R$ 44,87 bilhões.

Ganho em participação

Para o diretor da IPC Marketing Editora e responsável pelo estudo, Marcos Pazzini, o Ceará teve um ganho importante de participação no consumo nacional do ano passado para este ano.

"Entre 2012 e 2013 a participação do Ceará no potencial de consumo nacional cresceu 0,04 ponto percentual. Apesar desse aumento parecer pequeno, em dinheiro isso significa R$ 1,4 bilhão a mais no bolso da população cearense, que vai circular na economia do Estado. Se o Ceará tivesse mantido a mesma participação, sem o acréscimo de 0,04 p.p., o potencial de consumo dos cearenses para 2013 ficaria em torno de R$ 82,8 bilhões", compara.

Migração social é motivo

De acordo com a análise do especialista, o incremento é reflexo da migração na pirâmide social, que tem ocorrido de forma mais forte na Região Nordeste, que tem impulsionada em grande parte pelo Ceará.

"Essa é uma tendência que vem se apresentando desde 2008, com o Ceará sempre ocupando a segunda posição da Região", observa.

Ranking das regiões

Na comparação entre as cinco regiões do Brasil, o Sudeste lidera o ranking do consumo, apresentando uma perspectiva de participação de 50,5% para 2013, ante os 50,4% obtidos no ano anterior.

A região Nordeste continua em crescimento representando uma fatia de 18,2% na expectativa para este ano, ante os 17,7% registrados no ano passado.

Já o Sul do País se mantém na terceira posição na pesquisa com uma fatia de consumo da ordem de 16,9% na projeção de 2013, menor que o registrado no ano passado, que foi de 17,5%.

Centro Oeste e Norte mantiveram para 2013 o patamar das projeções de consumo do ano anterior, 8,59% e 5,78%, respectivamente.

Marcos Pazzini lembra que em 2012, o Sul se aproximou bastante do Nordeste, indicando a possibilidade de retomada da segunda posição perante o ranking nacional, o que faria com que o Nordeste voltasse para a terceira colocação, atrás de Sudeste e Sul.

Entretanto, em 2013, o Sudeste mantém a liderança nacional, seguido por um Nordeste em amplo crescimento.

Camadas decisivas

"O Nordeste novamente superou o Sul porque possui maior participação das classes C, D e E, que tem intensificado a migração para a classe média, tanto na participação do consumo como em domicílios familiares", diz.

ÂNGELA CAVALCANTE
REPÓRTER
































































































































© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.