para se exercitar

Exercício ao ar livre é alternativa

01:00 · 12.08.2017
Image-0-Artigo-2281881-1
Com mais demanda por atividades fora das academias, o número de assessorias esportivas vem crescendo na Região Metropolitana ( FOTO: TAVARES JUNIOR )

Seja pela preferência ao ar livre ou à corrida de rua, bicicleta ou natação, muitos cearenses também têm procurado alternativas além das academias para se exercitar. Com isso, as assessorias esportivas se multiplicaram na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF), oferecendo apoio técnico a iniciantes, de crianças a idosos, e também aos mais experientes interessados em participar de competições.

> Academias projetam salto de 10% neste ano 

De acordo com Wander Almeida, sócio diretor da Stark Assessoria Esportiva, o segmento cresceu exponencialmente nos últimos anos na Capital, onde atuam hoje quase uma centena de assessorias. "Há desde as bem pequenas, nas praças e em outros locais, até às grandes, que atendem a centenas de alunos. Além disso, a busca de grandes empresas por assessorias para os seus funcionários e clientes também impulsionou o setor", diz.

Almeida aponta que 2016, mesmo com a crise econômica, foi de expansão para o segmento, onde muitas empresas surgiram e outras já existentes se expandiram. "O ano de 2017 já é mais de acomodação. As empresas estão revendo custos, mensalidades, tentando ao máximo segurar repasses de custos exatamente porque o mercado ficou mais competitivo, e a concorrência é bem acirrada", explica.

A empresa foi criada há cerca de 15 anos por dois triatletas de São Paulo e hoje está na "terceira geração" de sócios. O interesse da população nesse tipo de atividade só cresce. "O aluno procura a assessoria porque quer um acompanhamento mais científico, com profissionais que vão planejar o ciclo de treinamento de acordo com a condição física e o objetivo do aluno", destaca.

Parcerias

A For Time, por sua vez, começou como um grupo de corrida da Universidade de Fortaleza (Unifor) há cerca de oito anos, até que a proprietária da empresa, Taiana Lohmann, percebeu a necessidade de formalizar o negócio como uma empresa para ampliar a sua atuação. "Passamos a trabalhar também com empresas prestando serviço para a realização de atividades físicas, organizando eventos esportivos", explica.

Entre os serviços, a empresa oferece assessoria para a realização de corrida, caminhada, circuito funcional, natação e treinamento de bicicleta, entre outros. "Temos uma parte do treinamento funcional destinada, principalmente, para crianças a partir de três anos. Já o nosso aluno com mais idade tem cerca de 70 anos. É algo que pode ser realizado pela família toda junta", observa a empresária.

Ela aponta que, mesmo com certa redução de alunos por conta da crise, a maioria prioriza o serviço para manter a saúde. "Não é só atividade física, é um esporte social. Temos uma socialização muito grande, o que faz com que as pessoas corram entre amigos. Avaliamos o momento em que o País vive e trabalhamos com essa realidade, seja uma redução do tíquete médio, ou acrescentando um serviço. Ainda assim, esse mercado não está saturado", afirma. (YP)

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.