decisão da ans

Duas operadoras de saúde no CE têm vendas suspensas

01:00 · 11.09.2018
Image-0-Artigo-2451515-1
O objetivo da agência com a suspensão é estimular as operadoras de saúde a promover melhorias no atendimento aos beneficiários

Fortaleza/Brasília. A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) anunciou a suspensão temporária da comercialização de 26 planos de saúde de 11 operadoras do país em decorrência das queixas relativas à cobertura assistencial. Juntos, os 26 planos têm 75.500 beneficiários. A medida começou a valer a partir desta segunda-feira (10). Duas dessas operadoras têm atuação no Ceará: a Unimed Norte/Nordeste e o Grupo de Assistência Médica Empresarial do Ceará (Gamec).

Entre outros fatores, são consideradas na avaliação das operadoras queixas registradas nos canais da ANS. Entre 1º de abril e 30 de junho deste ano, a ANS recebeu 17.171 reclamações de natureza assistencial.

De acordo com a ANS, os usuários terão a assistência regular garantida. No entanto, para que os planos voltem a ser comercializados para novos clientes, as operadoras deverão comprovar melhorias no atendimento.

Em nota, a Unimed Norte/Nordeste disse que "continua atendendo normalmente os seus clientes e trabalha para melhorar a prestação de serviços dentro dos padrões exigidos pela ANS". A operadora reforça ainda que "a suspensão é apenas para comercialização momentânea de novos planos de alguns poucos produtos, não atingindo os atuais beneficiários".

Procurada pela reportagem, a Gamec não se posicionou sobre a suspensão até o fechamento desta edição.

Avaliação

As operadoras são avaliadas por meio do Monitoramento da Garantia de Atendimento. Nessa etapa, foram consideradas as queixas sobre cobertura e demoras de atendimento no segundo trimestre de 2018.

De acordo com a ANS, o objetivo da suspensão é também estimular que as operadoras qualifiquem o atendimento. Paralelamente, houve a reativação de 20 planos de 11 operadoras.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.