BOLSA RECUA

Dólar tem maior alta em 13 meses, cotado a R$ 3,812

01:00 · 15.06.2018

São Paulo. O dólar disparou ontem (14) e fechou acima dos R$ 3,80 pela primeira vez desde que o Banco Central (BC) anunciou intervenção no mercado para conter a volatilidade do câmbio, há uma semana. Na cotação comercial, a moeda fechou em alta de 2,61%, a R$ 3,812. Foi a maior alta nos últimos 13 meses. Na quinta-feira passada, a moeda fechou acima dos R$ 3,90, e o presidente do BC, Ilan Goldfajn, disse que venderia US$ 20 bilhões até hoje (15) em contratos de swap (que equivalem à venda de dólar no mercado futuro) para suavizar as oscilações. Desde então, o dólar vinha sendo cotado ao redor dos R$ 3,70.

Quase todos os US$ 20 bilhões já foram ofertados, e o Banco Central ainda não anunciou se continuará intervindo na mesma intensidade na próxima semana. A desvalorização do real ocorreu em linha com o cenário internacional. Na manhã dessa quinta, o Banco Central europeu anunciou o fim do programa de compra de títulos, que tinha por objetivo evitar deflação no bloco econômico. O BCE já injetou mais de 2 trilhões de euros na economia comprando títulos desde 2015.

Apesar de esperado, o anúncio do fim do programa um dia após o Fed (banco central americano) sinalizar alta mais acelerada nos juros dos EUA fez com que o euro perdesse valor ante o dólar. O mesmo aconteceu com a maioria das moedas emergentes. Quando os juros dos EUA sobem, a tendência é que investidores levem o dinheiro que estava aplicado em países emergentes para aplicações em títulos da dívida americana.

Intervenção

O Banco Central (BC) anunciou ontem que ofertará outros US$ 10 bilhões em contratos de swap cambial na semana que vem, operação que equivale à venda de dólares no mercado futuro.

Bovespa

A Bovespa foi refém do estresse visto ontem nos mercados de câmbio e juros. O Índice Bovespa chegou a subir 0,81%, mas sucumbiu diante do desempenho negativo dos outros ativos e fechou em queda de 0,97%.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.