Mercado financeiro

Dólar sobe 1,8% em semana turbulenta

01:00 · 05.05.2018

São Paulo. A trajetória do dólar na semana pode ser contada a partir de duas narrativas: a preocupação com aumento adicional de juros nos Estados Unidos que levou a moeda ao patamar de R$ 3,55, e os dois dias de queda subsequentes após o recado do Banco Central brasileiro de que vai atuar para conter altas da divisa.

Ainda assim, o dólar acumulou valorização de 1,8% em relação ao real. Nesta sexta (4), o dólar comercial recuou 0,19%, para R$ 3,524. O dólar à vista, que fecha mais cedo, caiu 0,48%, para R$ 3,518. Na semana, 29 das 31 principais moedas do mundo se desvalorizaram em relação ao dólar.

Como resposta à velocidade da alta do dólar -a moeda ganhou R$ 0,12 em dez sessões-, o Banco Central anunciou, na noite da mesma quarta, que poderia oferecer mais contratos de swaps cambiais (equivalentes à venda de dólares no mercado futuro) para suavizar os aumentos do dólar. Foi a deixa para a cotação da moeda passar a cair nos dois dias seguintes. Nesta sexta, o BC vendeu, pelo segundo dia, a oferta integral de até 8.900 contratos em swaps cambiais tradicionais, rolando US$ 890 milhões dos US$ 5,650 bilhões que vencem em junho. Se mantiver e vender esse volume diário até o final do mês, o BC terá colocado US$ 8,455 bilhões em swaps.

Ações

O Ibovespa, índice das ações mais negociadas, recuou 3,85% na semana -a pior desde a encerrada em 19 de maio de 2017, quando a notícia da delação do empresário Joesley Batista, do grupo JBS, provocou turbulências no mercado. Nesta sexta, a Bolsa caiu 0,2%, para 83.118 pontos. Dos 64 papéis do Ibovespa, 36 caíram e 28 subiram. A Raia Drogasil teve a maior queda, com recuo de 3,64%.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.