direito do consumidor

Decon terá atendimento especial no Carnaval

O objetivo é orientar os foliões sobre os seus direitos e auxiliá-los na resolução de possíveis imprevistos

00:00 · 13.02.2015

O Posto Avançado do Programa Estadual de Proteção e Defesa do Consumidor (Decon), localizado no Aeroporto Internacional Pinto Martins, estará de prontidão, 24h, durante todo o Carnaval, para auxiliar e dar dicas aos consumidores na hora de comprar pacotes de viagens, alugar imóveis ou quando adquirir ingressos para festas e optar por desistências e devoluções. O objetivo do Decon é que o folião tenha conhecimento dos seus direitos e esteja pronto para lidar com imprevistos.

Segundo a entidade, as pessoas devem ficar atentas ao "overbooking", onde há venda maior de serviços em comparação à capacidade que a empresa pode fornecer. Nesses casos, o estabelecimento deve acomodar os hóspedes em outro local.

No momento do acordo com um meio de hospedagem, o cliente deve ainda solicitar, por escrito, a confirmação da reserva, as informações sobre a tarifa, os horários do check-in e check-out, além do tipo de unidade habitacional, serviços oferecidos e forma de pagamento.

Agências

O consumidor que for viajar por intermédio de agências deve ficar atento ao contrato. Antes de assinar o documento, deve ler atentamente para se certificar de que todas as cláusulas estão claras. O texto deve conter todos os serviços e não pode haver espaços em branco. Depois de tudo acertado, é importante que o cliente guarde uma via assinada do documento.

Avião

Se a viagem for de avião e o voo for cancelado ou atrasar mais do que quatro horas as companhias aéreas são obrigadas a reembolsar, imediatamente, o passageiro, de acordo com as regras da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).

Documentos

Caso a bagagem seja extraviada ou danificada, o consumidor deve procurar a empresa aérea, ainda na sala de desembarque e preencher o Registro de Irregularidade de Bagagem (RIB). "Se algo der errado durante a viagem, o passageiro deve documentar os problemas e guardar todos os comprovantes para registro de reclamação", afirma a secretaria executiva do Decon, Ann Celly. O consumidor também deve ficar atento com os documentos pessoais durante o Carnaval, para evitar perda e consequentemente fraude.

Golpes

Segundo o Indicador Serasa Experian de Tentativas de Fraudes Consumidor, em 2014, foram registradas 2.039.588 tentativas de golpes conhecido como roubo de identidade. Diante disso, a Serasa indica algumas medidas de segurança para o folião não ficar exposto a possíveis golpes, como: não sair com todos os documentos originais; guardar os pertences no bolso da frente da calça ou escondido dentro da bolsa; não fornecer dados pessoais para estranhos ou por telefone; não informar os números dos documentos quando participar de promoções e sorteios; manter atualizado o antivírus do computador; e não fazer cadastros em sites que não confie.

Finanças

Já a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) lembra que a organização financeira é fundamental nos momentos de festividade, onde os consumidores devem estar atentos nas despesas para não ficar endividado no meio da folia.

Para ajudar a controlar as finanças, a Febraban sugere: Acompanhar diariamente os gastos; não usar o cheque especial e o cartão de crédito como extensão do salário; evitar pagar o mínimo da fatura do cartão de crédito (rotativo); reduzir os gastos supérfluos; ter sempre um projeto de vida que acompanhe uma meta financeira; ter uma poupança de emergência (de 3 a 12 salários); e fazer um planejamento financeiro pensando na aposentadoria.

Máximo gasto com viagem no feriado deve ser R$ 500

A maioria dos brasileiros planeja investir menos de R$ 500, na viagem de Carnaval, incluindo passagem (de avião ou de ônibus), hospedagem e passeios. É o que revela pesquisa realizada pela ClickBus, portal de vendas de passagens rodoviárias do mundo, em parceria com a SurveyMonkey, empresa com plataforma de questionários e pesquisas online. De acordo com o levantamento, 35% dos entrevistados pretendem gastar até R$ 499, para viajar no período.

A principal motivação para viajar é visitar a família, mesmo sendo Carnaval, de acordo com 36,2% dos entrevistados. Já 24,6% dos entrevistados têm como objetivo fazer uma viagem com seus respectivos parceiros.

Via rodoviária

Pular o Carnaval com os amigos vem em terceiro lugar, sendo a escolha de 21,4% dos participantes da pesquisa. O estudo também mostra que mais da metade dos brasileiros (53,2%) deve fazer o trajeto de ônibus. Viagens de carro correspondem a 32,2% das respostas, enquanto avião é a opção para 13,3% das pessoas. Viagens de moto e cruzeiro totalizam apenas 1,3%. "Em 2014, não tivemos uma economia próspera e grande parte dos especialistas no assunto acreditam em uma retração do PIB. As pessoas estão mais cautelosas em relação aos seus gastos pessoais, visto que 2015 não promete ser um ano fácil. A intenção de gasto para o Carnaval revelada por esta pesquisa vai de encontro a este cenário. Mesmo assim, muitos brasileiros não deixarão de viajar por conta disso", afirma Fernando Prado, Co-CEO e Co-fundador da ClickBus.

Adultos gastam mais

Indivíduos do sexo masculino a partir dos 50 anos têm intenção de gastar um valor elevado, em relação à média geral dos pesquisados. Quase um terço deles (30,3%) planeja desembolsar entre R$ 1.001 e R$ 2.000 na viagem , enquanto a maior parte das mulheres (38,7%) na mesma faixa etária quer investir menos de R$ 500, para aproveitar o de Carnaval, a exemplo da média geral das pessoas.

Canal de compra

Outro dado revelado pela pesquisa se refere ao canal de compra de passagens de avião ou de ônibus rodoviário. A maior parte dos entrevistados (44%) adquiriu seus bilhetes diretamente na companhia.

Na sequência, a pesquisa mostra que 32% obtiveram suas passagens por meio de aplicativos ou sites que vendem passagens de mais de uma empresa.

d

Comentários


Li e aceito os termos de regulamento para moderação de comentários do site.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.