sicoob

Cooperativa de crédito planeja agências para atender a 15 municípios no Ceará

Apesar de conquistas junto ao Banco Central, cooperativa busca ainda mais abertura com o regulador financeiro

01:00 · 29.08.2018 / atualizado às 11:30 · 30.08.2018 por Ingrid Coelho/Yohanna Pinheiro - Repórteres

Com apenas uma agência em Fortaleza, o Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) planeja ampliar sua presença no Estado e abrir novas unidades para atender, pelo menos, mais 15 municípios no Interior até o fim do ano, entre eles Aquiraz, Caucaia, Eusébio, Guaiuba, Itaitinga, Maracanaú, Maranguape, Pacatuba, Horizonte, Pacajus, Sobral, Crateús, Quixadá, Iguatu e Juazeiro do Norte.

Leia mais:

> Serviço com vans estimula competição
> Iniciativa com mulheres proporciona 'renascimento'
 
Com 1.252 associados hoje no Ceará, segundo o Sicoob Confederação, a cooperativa surgiu, no Estado, a partir da iniciativa de um grupo de servidores da Policia Federal em Fortaleza que, insatisfeito com o atendimento das instituições financeiras em razão das altas taxas de juros, inspirou-se no modelo de cooperativa já existente no País. Antes restrito à categoria, a cooperativa agora é aberta a todos os servidores federais no Estado.

De acordo com o presidente do Sicoob Confederação, Henrique Vilares, o cooperativismo financeiro enfrenta barreiras de aceitação e até de entendimento do modelo por parte da sociedade. "Precisamos reverter alguns estigmas e provar que temos capacitação e oferecemos segurança tanto quanto outra instituição financeira. E temos que batalhar para ganhar mais aberturas regulatórias por parte do Banco Central", aponta.

Oferta de serviços

Embora funcione como uma instituição bancária comum, oferecendo serviços de conta corrente, crédito, investimento, cartões, previdência, consórcio, seguros, cobrança bancária, aquisição de meios eletrônicos de pagamento, entre outros, a cooperativa não é um banco. Os resultados financeiros, que ficariam restritos aos acionistas nos bancos comuns, são divididos proporcionalmente entre todos os cooperados ao fim de cada ano.

"Apesar do movimento cooperativista ser secular (o início foi em 1844) e já estar bem estabelecido em países europeus, nos Estados Unidos, Canadá e Japão, no Brasil ainda somos um movimento recente: a primeira cooperativa de crédito foi fundada em 1902. Por muitos anos nós fomos a opção de inclusão financeira apenas para grupos de pessoas com interesses comuns, como funcionários públicos, empregados de uma mesma empresa ou produtores rurais", explica Henrique Vilares.

O presidente do Sicoob Confederação lembra ainda que, por quase 30 anos, apenas pessoas com algum vínculo em comum podiam participar de cooperativas financeiras por restrições impostas por órgãos reguladores. No ano de 2003, a resolução nº 3.106 voltou a permitir o funcionamento da livre admissão em cidades no Brasil com mais de 100 mil habitantes e, neste ano, as cooperativas foram autorizadas a trabalhar com recursos de prefeituras.

Presença nas capitais

"Segundo dados do Banco Central, entre as pessoas jurídicas, a participação das cooperativas no Brasil passou de menos de 1% em 2005 para mais de 8% em 2017. Crescemos nos últimos anos, mas ainda há muito espaço para avançar. Na França, por exemplo, 61% dos ativos estão nas cooperativas", ressalta Vilares. O desafio, segundo ele, é aumentar a presença nas capitais e nos grandes centros urbanos brasileiros, já que ela já é significativa no meio rural.

Expansão

Até o fim de 2018, o Sicoob planeja abrir agências para atender aos seguintes municípios:

Caucaia
Eusébio
Guaiuba
Itaitinga
Maracanaú
Maranguape
Pacatuba
Horizonte{
Pacajus
Sobral
Crateús
Quixadá
IguatuJuazeiro do Norte

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.