Confiança sobe e é a maior desde 2014

00:00 · 18.03.2017

Brasília. O Índice de Confiança do Empresário Industrial (Icei) voltou a crescer em março e atingiu 54 pontos, o maior patamar desde janeiro de 2014. Pela metodologia da pesquisa, divulgada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) nessa sexta-feira (17), números acima de 50 indicam empresários confiantes. Foi o terceiro mês consecutivo que o indicador ficou acima da linha divisória.

O Icei cresceu 16,6 pontos em relação a março do ano passado e 0,9 ponto na comparação com fevereiro. Pela primeira vez desde outubro os empresários de todos os portes de empresa estão otimistas.

LEIA MAIS

.Setores da indústria cearense começam a mostrar reação

.Produção têxtil inicia o ano com alta de 38,8%

.Alimentos funcionais e naturais têm maior demanda

.Metalurgia abre vagas e vê avanço de até 30%

.Mercado externo ameniza a crise

.Setor químico investe em eficiência e redução de custo

Todos os componentes do Icei apresentaram aumento em março. O índice de condições atuais registrou crescimento de 1,6 ponto em relação ao mês passado. No entanto, continua abaixo dos 50 pontos, registrando 46,3 pontos. "Em outras palavras, o empresário ainda vê piora em suas condições correntes de negócio, mas essa percepção é menos intensa e menos disseminada que no mês anterior", explica a pesquisa.

O índice de expectativas cresceu 0,5 ponto de fevereiro para março, quando chegou a 58 pontos. Já o indicador de expectativas com relação à economia cresceu 0,9 ponto e atingiu 54,6 pontos, uma alta de 22,8 pontos ante março de 2016.

O índice de perspectivas com relação à empresa ficou em 59,8 pontos, crescimento de 0,4 ponto em relação a fevereiro e de 13,2 pontos na comparação com março do ano passado.

Indústria extrativa

Houve melhora na confiança no primeiro trimestre do ano na maioria dos setores das indústrias extrativa, de transformação e da construção. Em janeiro, 21 setores apresentavam falta de confiança; em fevereiro o número caiu para sete; e, em março, para cinco.

A falta de confiança ainda é vista nos segmentos de produtos de madeira, extração de minerais não metálicos, serviços especializados para a construção, produtos de borracha e produtos de minerais não metálicos.

A pesquisa foi realizada pela Confederação Nacional da Indústria entre os dias 2 e 14 deste mês com 3.004 empresas, sendo 1.161 de pequeno porte, 1.145 médias e 698 grandes.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.