Diz FGV

Confiança do consumidor brasileiro cai em agosto

01:00 · 25.08.2018

Rio. O Índice de Confiança do Consumidor (ICC) recuou 0,4 ponto em agosto, ao passar de 84,2 para 83,8 pontos. O dado foi divulgado na sexta-feira (24) pela Fundação Getulio Vargas (FGV). Em relação ao mesmo período do ano anterior, houve alta de 2,4 pontos. Os dados constatam piora das avaliações sobre a situação atual e melhora das expectativas em relação aos meses seguintes, mas foi a satisfação com a situação financeira familiar que mais contribuiu para a queda do indicador.

O Índice de Situação Atual (ISA) caiu 2,7 pontos, indo para 71,4, devolvendo a alta do mês anterior, enquanto o Índice de Expectativas (IE) avançou 1,1 ponto em relação a julho, somando 93 pontos, o segundo aumento consecutivo. Já o indicador que mede a satisfação dos consumidores com a situação da economia variou 0,5 ponto entre julho e agosto, indo para 78,6 pontos. Apesar disso, o índice se mantém abaixo do nível anterior à greve dos caminhoneiros. E o Indicador de satisfação com a situação financeira familiar recuo 5,9 pontos, ficando em 64,8 pontos, o menor patamar desde agosto de 2017, sendo o que mais contribuiu para a queda do ICC em agosto.

Para a coordenadora da Sondagem do Consumidor da FGV, Viviane Bittencourt, os consumidores continuam mantendo uma postura conservadora diante da crise e das incertezas da economia. Ainda em agosto, a FGV apurou que o indicador que mede o otimismo com relação à situação econômica nos seis meses seguintes subiu 1,1 ponto no último mês, para 103,4 pontos, interrompendo a tendência de queda dos quatro meses anteriores. Também as expectativas sobre a situação financeira das famílias melhoraram pelo segundo mês seguido. O indicador subiu 3,2 pontos para 95,4 pontos, o maior nível desde abril (96,4).

Já o indicador que mede a intenção de compras de bens duráveis recuou 0,9 ponto, para 81,2 pontos em agosto, menor nível desde outubro de 2017.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.