coluna

Gestão Ambiental: 'Separe. Não pare'

maristela

Gestão Ambiental

MARISTELA CRISPIM

01:00 · 30.08.2017

A ONU Meio Ambiente e a Coalizão Embalagens, formada por 23 associações empresariais signatárias do Acordo Setorial de Embalagens em Geral, lançaram nessa segunda-feira (28) na Casa da ONU, em Brasília (DF), o movimento "Separe. Não Pare" com o objetivo de informar, inspirar e mobilizar a população brasileira a separar e descartar corretamente os resíduos domésticos. A coalizão tem como missão reduzir em 22% a quantidade de embalagens encaminhadas para aterros sanitários no Brasil até 2018. Para atingir esse resultado, ressalta a responsabilidade compartilhada, disseminada pela Política Nacional de Resíduos Sólidos com a participação de empresas, prefeituras e da população. Um dos focos é sensibilizar a sociedade sobre a separação do lixo doméstico entre orgânico e reciclável e destinar corretamente.

Adaptação

A adaptação às mudanças climáticas implica obras caras para o orçamento de um município. No caso de Santos, um amplo estudo concluiu que o custo mínimo com obras na região da Ponta da Praia de Santos e na Zona Noroeste ficaria em torno de R$ 300 milhões. Já o preço por não se adaptar às mudanças climáticas chegaria à cifra de R$ 1,5 bilhão, fora todo o sofrimento causado à população.

Image-0-Artigo-2288466-1
O Governo do Ceará entregou equipamento tecnológico inédito no País para a análise e o monitoramento das águas dos mananciais do Estado. Trata-se do barco robótico Iracema (Instrumentos Robóticos Autônomos para Coleta e Monitoramento Ambiental). De forma autônoma e funcionando como laboratório móvel, a embarcação irá atender às demandas de órgãos como Funceme, INPE, Cagece e Cogerh, de acordo com solicitação das entidades. A Fundação SOS Mata Atlântica participa, desde o último dia 27 de agosto, da 1ª Conferência Brasileira de Restauração Ecológica, em Foz do Iguaçu (PR). O evento segue até esta sexta-feira (1º de setembro).

Liberação

Após 30 anos fechada à atividade de mineração, uma imensa área da Amazônia rica em ouro poderá ser explorada pela iniciativa privada. Por meio de decreto, o presidente Michel Temer extinguiu a Reserva Nacional de Cobre e Associados, criada em 1984. Assim, uma região de cerca de 47 mil km2 entre o Pará e o Amapá está liberada para a extração de ouro e outros minerais nobres.

"A mudança climática é real, está acontecendo agora. É a ameaça mais urgente que a nossa espécie precisa enfrentar. Precisamos trabalhar juntos e deixar de procrastinar"

Leonardo DiCpario
Ator e ativista

Bom

Mundo viável

Um mundo movido pela energia do vento, do sol e da água seria técnica e economicamente viável já em 2050, dizem pesquisadores americanos -criando 24 milhões de empregos e evitando milhões de mortes causadas pela poluição. As contas da equipe de Mark Jacobson, da Universidade Stanford, e de Mark Delucchi, da Universidade da Califórnia, em Berkeley, foram publicadas na revista científica "Joule".

Mau

Emissões de GEE

Conforme dados mais recentes do Sistema de Estimativa de Emissões de GEE do Observatório do Clima, somente as emissões brutas decorrentes de mudança de uso do solo na Amazônia cresceram 14% entre 2014 e 2015. No total, as emissões brasileiras de GEE aumentaram 3,5% entre 2014 e 2015, já em cenário de crise - no mesmo período, o PIB caiu 3,8%, o pior resultado desde 1981.

Últimos Artigos

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.