Coluna

Egídio Serpa: Ceará - a fadiga do material

egidio-serpa

Egídio Serpa

egidio@diariodonordeste.com.br

01:00 · 30.05.2018
Para o secretário Maia Júnior, titular da Seplag, a matriz de gestão aplicada com êxito pelo Governo do Ceará desde 1987 deve ser mantida, mas o modelo econômico dá sinais de fadiga e por isto deve ser trocado. “Temos de dar um salto como deu a Colômbia agora voltada à inovação”, diz ele. Esta é a razão do Ceará 2050, o plano de longo prazo que se elabora para o desenvolvimento social e econômico do Estado para os próximos 32 anos. Há constatações. Por exemplo: “O Ceará não precisa de construir novas estradas. Basta conservar a malha existente”, afirmou Maia a empresários para os quais falou sobre o hoje e o amanhã. “O Ceará e seu governo estão a precisar de mais homens de negócio. Por trás de cada Secretaria há uma cadeia econômica que exige boa gestão”, diz.

Sem igual

Calejado pelas batalhas da vida, Honório Pinheiro - do Pinheiro Supermercado - preocupa-se com a greve dos caminheiros que não tem fim: “Nunca vi nada igual”, diz com tristeza.

Camarão

Consequência da greve dos caminheiros, cerca de 400 toneladas de camarão produzidos pela fazenda Potiporã, do cearense Cristiano Maia, podem ser perdidos. Caminhões que as transportam estão parados há cinco dias em estradas que levam ao Sudeste do País

Ciro

Pré-candidato do PDT à Presidência da República, Ciro Gomes voltou a dizer na televisão que revogará, se eleito, a Reforma Trabalhista e a lei do teto dos gastos. Na sua opinião, o litro do óleo diesel pode ser vendido a R$ 3,80. Ele culpa a Petrobras.

Brisanet enfrenta o poste

Empresa cearense que virou “case” nacional, a Brisanet, cuja sede está na cidade de Pereiro, não atua em Fortaleza. Por que? A resposta é de José Roberto Nogueira, seu fundador: “A Aneel só permite cinco cabos esticados em cada poste de energia elétrica. Em Fortaleza, esse espaço já está completo”. Por isto, a Brisanet amplia sua rede de cabos de fibra ótica nos sertões do CE, RN, PB e PE. Já são hoje 12 mil km de “back bone” (linha matriz) e 25 mil km de cabos na área urbana, nos quais se investiram “centenas de milhões de reais, pelo que oferecemos sinal Full HD”.

Na China

José Roberto Nogueira, dono da Brisanet, retornou de mais uma viagem à China, de onde trouxe a informação de que a mão de obra chinesa já está custando mais caro. Lá, ele revelou, o salário médio do operário, que era aviltante, melhorou: está hoje entre R$ 2 mil e R$ 4 mil por mês.

Bom
Frete

De Jean Paul Prates, presidente do Centro de Estratégias em Recursos Naturais e Energia (Cerne): “A cultura do frete no Brasil não consegue funcionar com reajustes diários”. Acertou.

Ruim
Em falta

Em casas de pessoas da classe média já é grande a preocupação com a falta de alimentos, cujos preços dispararam. Muitos já fazem os cálculos de quanto vai faltar de dinheiro no fim do mês.

Livre Mercado

Wilson Mancini, atento leitor desta coluna, escreve para dizer que os governadores - o do Ceará no meio - se fingem de mortos nesta crise do transporte rodoviário. Na sua opinião, os estados - que cobram alíquota alta de ICMS sobre os combustíveis - deveriam também dar sua colaboração. O Ceará, que tem alíquota de 29% incidente sobre a venda de óleo diesel e gasolina, deveria reduzi-la como atitude colaborativa. Mancini também sugere o fim do monopólio da Petrobras, “pois faz mal à Nação”.

Últimos Artigos

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.