coluna

Bolso & Cia: idosos e as oportunidades

01:00 · 01.09.2017

A população idosa só avança no Brasil. A estimativa é que atinja quase 32 milhões em 2025. O consumo desse contingente pode ser enxergado como uma grande oportunidade. Setores de comércio e serviços devem se adequar para atendê-los. Uma grande parcela da 'melhor idade' tem renda estável e quer produtos e serviços que supram suas necessidades. Os critérios de escolha deles priorizam preço, atendimento e qualidade. O olhar livre do preconceito etário pode impulsionar negócios.

49% querem viajar

Com os primeiros sinais de reação da economia, 49% dos brasileiros acreditam que poderão voltar a viajar mais a passeio. A Worldpay, que atua com serviços de pagamento, aponta que, atualmente, 39% das pessoas afirmam que viajaram com menos frequência que em 2014, ano anterior à crise econômica. O comércio online facilitou a procura por voos com melhor custo benefício para 93% das pessoas pesquisadas. Além disso, 85% estão estimuladas a explorar novos destinos.

0,8%

Foi a queda no nível

De consumo medido pela Confederação Nacional do Comércio (CNC) neste mês. A maior parte das famílias declarou estar com o nível de consumo menor que o do ano passado, embora tenha avançado em relação ao mês anterior (59,3% ante 58,6% em julho). O item Momento para Duráveis apresentou incremento de 0,4% na comparação mensal.

Clareza nos rótulos de alimentos

A proposta de decreto que pode acabar com a rotulagem de transgênicos no Brasil acendeu um sinal amarelo de preocupação. O Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) se posiciona contra minuta preparada pelo Ministério da Agricultura para retirar a obrigação de uso do símbolo T no rótulo dos alimentos e rações animais. Para o Idec, a medida representa grave retrocesso e uma afronta aos direitos dos consumidores, pois impede a informação clara e precisa sobre o uso de ingredientes transgênicos nos produtos.

Recado do especialista

"Mesmo com a redução da Selic, a taxa básica de juros, pelo Banco Central, com expectativas de mais reduções, ainda é um patamar muito alto. Uma das principais questões é que no Brasil, metade do crédito é subsidiado, logo alguns pagam taxas maiores do que outros".

Marcel Balassiano
Economista do instituto brasileiro de economia da fundação getulio vargas (FGV-IBRE)

Como se inscrever no Bolsa família

•O Bolsa Família foi criado para atender a pessoas na condição de extrema pobreza, situação que tem se ampliado no País com o aumento do desemprego. •A condição para ser beneficiário é que o núcleo familiar possua uma renda por pessoa de até R$ 85 (considerado extremamente pobre), ou entre R$ 85,01 e R$ 170, enquadrado como pobre. •Para ter acesso, a inscrição no cadastro único deve ser feita por uma pessoa da família (responsável familiar), que deve ter pelo menos 16 anos e, preferencialmente, ser mulher. •Será necessário apresentar o CPF ou o título de eleitor, além de algum documento dos outros integrantes da família. •Quem ingressa no Bolsa Família recebe uma confirmação da seleção no programa, e os cartões para o saque do benefício são entregues na residência familiar. •Para ativar o cartão, é necessário ligar para o número 0800 726 0207 e, posteriormente, cadastrar a senha de acesso em uma lotérica. •Ao ser aceito no programa, as famílias também podem ter acesso a outros programas sociais, como o Minha Casa, Minha Vida, por exemplo.

Últimos Artigos

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.