coluna

Bolso & Cia: cautela freia consumidor

01:00 · 07.09.2018

Image-2-Artigo-2450166-1

O consumidor fortalezense apresenta agora em setembro a menor disposição para compra dos últimos 13 meses. Apenas 29,3% dentre os mil ouvidos no estudo da Fecomércio- CE mostraram disposição para ir às compras, um termômetro do mercado, diante do elevado nível de endividamento. Em agosto último, a pretensão de consumir na Capital havia se situado em 35,7%. O valor médio dos gastos daqueles que irão fazer novas despesas é estimado em R$ 569,39 e são os consumidores do sexo masculino (29,7%) que mais querem adquirir bens.

Mais leite em pó

O leite em pó se destacou no consumo dos brasileiros conquistando novos lares compradores de janeiro a junho deste ano. O produto ganhou penetração maior (3,9 pontos percentuais) no período e os consumidores nordestinos estão inseridos nessa realidade, aponta a Kantar Worldpanel. Significa que mais de dois milhões de lares passaram a comprar leite em pó. O nordestino está substituindo o produto do tipo UHT (de caixa) pelo leite em pó.

10,3%

Foi o quanto o dólar

Comercial ganhou em agosto em relação ao real, fazendo a aplicação na moeda norte-americana liderar entre os investimentos. O euro também seguiu a valorização, em meio ao estresse eleitoral. O elevado grau de incerteza no mercado brasileiro mostrou força também para quem investiu em ouro, com mais de 8% de ganhos no mês. A recomendação de especialistas de investimentos é fugir de ativos de risco.

Salário mínimo acima de R$ 1 mil

Pela primeira vez na história do Plano Real, o salário mínimo no País deverá superar a casa dos R$ 1 mil, caso seja realmente colocada em prática a proposta do governo federal de elevar o patamar da remuneração a R$ 1.006 , a partir de janeiro de 2019. O montante necessário calculado para uma família padrão, com dois adultos e duas crianças, cobrirem as despesas básicas deveria ser de R$ 3.804,06, estima o Dieese, baseado em valores de agosto último. A remuneração mínima hoje é de apenas R$ 954,00.

"Afirmar que o cartão de crédito é um vilão é exagero. Se usado com sabedoria, o recurso pode ser um aliado das finanças e facilitador da concretização de planos. Meu conselho é: resista à tentação. Quanto mais dinheiro disponível, mais o indivíduo se sente compelido a gastar, e as chances de perder o controle com tantos cartões são enormes".

Dora Ramos
Orientadora financeira

Fuja de mais dívidas no feriado

Em meio a tantos feriados é muito bom uma pausa para o descanso. Mas, seja em uma viagem curta ou aproveitando na própria cidade, é preciso ficar atento para não desequilibrar as finanças e contrair dívidas que não pode pagar.

Coloque na ponta do lápis quais gastos podem aparecer antes, durante e depois, sobretudo se for viajar. Assim, o orçamento dos meses seguintes não fica comprometido com algo que já passou.

Tenha uma reserva financeira, pois imprevistos, positivos ou negativos, sempre podem aparecer.

Tenha cuidado com a impulsividade. Caso perceba que as condições não são favoráveis, não faça loucuras. Avalie os preços antes de gastar.

Aproveite a sua cidade. Busque possibilidades de diversão que sejam baratas ou até mesmo gratuitas.

Últimos Artigos

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.