coluna

Bolso & Cia: As contas de janeiro

01:00 · 08.12.2017

O ano novo sequer entrou e nada menos que três em cada 10 brasileiros não sabem como vão pagar as contas no início de 2018. A constatação é de levantamento da fintech especializada em crédito online, Lendico. A empresa buscou entender como os consumidores vão bancar suas contas de início de ano. Um comportamento que, infelizmente, ainda é frequente é ir às compras em dezembro sem planejar como efetuar o pagamento. Cerca de 1.500 pessoas de todo País participaram do estudo. 32% entrevistados ainda não sabem como vão quitar as obrigações referentes às despesas de casa, carro e educação. Os demais 68%, afirmaram que se organizaram com antecedência para fazer face a esses gastos.

Cartão e impostos

Quando se trata de priorizar que despesas pagar em janeiro, 78% elegem as faturas de cartão de crédito; 69% o IPVA, 41% IPTU; 34% o seguro de moto ou carro e 33% as matrículas e materiais escolares. Para arcar com todos estes gastos, 59% contam com o salário; 23% utilizarão o 13º salário e 5% têm como saída recorrer a reservas financeiras como a poupança. Para não começar o ano com dívidas, 27% pensam em contrair empréstimo.

10,2%

É o percentual

Que indica a falta de produtos nos supermercados. O número é considerado elevado e foi influenciado pela crise, que levou à substituição de produtos habitualmente consumidos por marcas de menor preço, mas que não têm um histórico de vendas relevante para serem repostos com frequência, diz a Neogrid.

O valor das experiências

Image-0-Artigo-2334350-1

A Geração Y, nascida entre 1980 e 1995, cresceu cercada pela conectividade, por isso apresenta características inerentes aos hábitos de consumir, de cuidar da saúde e detém uma preocupação maior com a responsabilidade ambiental. Eles valorizam mais passar por experiências do que possuir bens materiais. O desafio do mercado é atender a esses jovens cuja crença é de que a felicidade está relacionada em criar, compartilhar e capturar memórias.

"Se o empréstimo não visa a cobrir uma necessidade emergencial, pode ser o caso de esperar mais um pouco para tomá-lo. Convém analisar a real necessidade de assumir um compromisso que, muitas vezes, só acaba depois de anos"

Roque Pellizzaro Junior. Presidente do SPC Brasil

Férias: um terço reduz gastos para viajar

É possível realizar uma ótima viagem mesmo com um orçamento pequeno. Concordam com a afirmação 60% dos brasileiros, diz a Booking. Com.

A valorização da experiência é reforçada quando se constata também que um quinto dos trabalhadores (20%) preferiria receber de seu empregador mais tempo para as férias que um aumento de salário.

Um terço dos profissionais em atuação no País (32%) já confirma reduzir outras despesas para priorizar as viagens.

Sobre a frequência mais adequada de conhecer outros lugares e seus custos, 38% prefeririam fazer várias viagens de valor acessível a apenas uma grande e cara.

Quem mais prioriza as viagens são os médicos e profissionais da área da Saúde (42%), funcionários do setor de Manufatura & Logística (38%) e os do setor de Viagem & Hospitalidade (38%).

Últimos Artigos

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.