bancos e cartões em destaque

Cobranças indevidas são 41,4% das queixas

Em 2017, foram encaminhadas ao Procon Fortaleza 19,2 mil reclamações, queda de 8% ante 2016

Das 19.235 queixas encaminhadas ao Procon no ano passado, 7.977 diziam respeito à cobranças indevidas ou abusivas ( FOTO: MARCOS FIORE )
01:00 · 04.05.2018
A Cagece foi a empresa mais reclamada em 2017, com 329 queixas. No ano passado, a companhia também foi líder em reclamações ( FOTO: KLÉBER A. GONÇALVES )

As cobranças efetuadas ao consumidor de forma indevida ou abusiva foram a principal queixa relatada pelo consumidor de Fortaleza ao Departamento Municipal de Proteção e Defesa dos Direitos do Consumidor (Procon Fortaleza) em 2017, representando 41,4% (ou 7.977) de 19.235 queixas registradas pelo órgão. Mais da metade das mais de 19 mil reclamações está relacionada a problemas com operadoras de cartão de crédito, financeiras e bancos.

Leia ainda:

> Empresas se esforçam para melhoria no atendimento
> Confira o ranking das 10 empresas mais reclamadas em 2017

O número total de queixas efetuadas ao Procon em 2017 representa uma redução de 8% na comparação com 2016, quando chegaram ao órgão 20.873 reclamações. Apesar dos 19,2 mil atendimentos, o Procon destaca que nem todos eles resultam em reclamação fundamentada: das queixas computadas em 2017, pelo menos 3.755 resultaram em reclamação fundamentada. Nestes casos, o Procon Fortaleza teve que realizar audiências de conciliação com acompanhamento jurídico.

Além da cobrança indevida ou abusiva, estão entre os principais problemas relatados ao órgão o cálculo de prestação/taxa de juros (2.391); produtos com vício (1.549); valor de reajuste (mensalidade de contratos), com 621 queixas, serviço contratado e não fornecido (349); não entrega ou demora na entrega do produto (344); cálculo de prestação em atraso (342); valor do bem (337) e reajuste abusivo (preço, taxa, mensalidade e etc), com 271 queixas e problemas com resolução de demandas pelo Serviço de Atendimento ao Cliente (SAC), com 237.

Entre as mais reclamadas em 2017, a Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) segue liderando, com 329 queixas. No ano passado, quando foi divulgado o balanço de 2016, a Cagece também havia ficado na primeira posição, com 191 queixas.

Além da Cagece, integram o ranking de empresas mais reclamadas ao órgão em 2017 a Enel (230); Oi Móvel S/A (188); Caixa Econômica Federal (136); Banco Bradescard S/A (135); Banco Bradesco S/A - ouvidoria (122); Telemar Norte Leste Oi S/A (121); Banco ItaúCard S/A (111); Banco do Brasil S/A (102) e Telefônica Brasil S/A - Vivo, com 58 reclamações fundamentadas no ano em questão.

Resolutividade

Ainda de acordo com o Procon Fortaleza, subiu o índice de resolutividade entre 2016 e 2017, passando de 43,8% para 56,8%. Do total de 3.755 reclamações fundamentadas, no ano passado, 2.135 foram resolvidas em audiências de conciliação. No restante (1.620), não ocorreu acordo entre as partes, 43,1% de reclamações não atendidas.

A diretora do Procon Fortaleza, Cláudia Santos, avalia que o aumento do índice de resolutividade demonstra mudança nas relações de consumo. "As empresas estão resolvendo mais os problemas do cidadão que recorre aos órgãos de defesa. Isso demonstra, também a força que os Procons possuem", frisa.

Entre as campeãs de não resolutividade estão Banco PAN S/A (89,2% não resolvidas); Itaú Unibanco S/A (77,5%); Embracon Administradora de Consórcio Ltda. (75,5%); Santander - Brasil S/A (75,4%); Banco do Brasil S/A (55,8%); ItaúCard S/A (53,1%); Bradesco S/A - ouvidoria (50%); FortBrasil administradora de cartões de crédito Ltda. (48,7%); Cagece (45,5%) e Via Varejo S/A (42,1%).


 

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.