Em um mês

Base de clientes da Algar Telecom no Ceará avança 69%

Empresa aumentou participação no Estado após investir R$ 77,89 milhões em rede ótica da Cemig

01:00 · 28.08.2018
Image-0-Artigo-2445540-1
A empresa integra um consórcio para a instalação de um cabo de fibra ótica no Estado, ao lado da Angola Cables, Antel e Googles ( Foto: YAGO ALBUQUERQUE )

Recém-chegada ao Estado, a brasileira Algar Telecom investiu mais R$ 77,89 milhões no projeto de expansão no Nordeste, quando arrematou um lote de fibra ótica da elétrica Cemig nos estados do Ceará, Bahia e Pernambuco. O retorno, segundo informa o vice-presidente Márcio Estefan, tem sido satisfatório. Desde quando aportou em Fortaleza até julho, foram 59 clientes corporativos e, só em agosto, deve chegar aos 100 - aumento de 69,49% na base de clientes cearenses em um mês.

O atendimento a empresas é o mais visado pela empresa, que já atua no Sudeste, Centro-Oeste e Sul do País, e deve ampliar participação no Nordeste no próximo mês, a partir da inauguração de escritórios em Natal (RN) e João Pessoa (PB). Até o fim do ano, o executivo disse esperar estar em todas as capitais da Região.

"Principalmente, o mercado corporativo. Estamos focados em levar soluções de alta qualidade. No Nordeste, serão utilizados cerca de 4.600 quilômetros de backbone, sendo mais de 1.100 km de rede em área metropolitanas. No Ceará, a rede metropolitana é de 190 quilômetros", informa Estefan.

Ampliação

Perguntado sobre a chegada da empresa na Região Metropolitana de Fortaleza, o vice-presidente informou que há intenções de ir até os parques industriais do Estado, mas que a rede ainda está sendo preparada para apresentar a qualidade devida aos clientes. "Vamos continuar fazendo investimentos na região, que é bastante promissora, e vamos continuar com nosso plano de investimento inicial", afirmou, referindo-se aos R$ 10 milhões que aplicou na estruturação da empresa no Estado.

A Algar Telecom é uma das empresas que compõem o consórcio do cabo de fibra ótica submarino Monet. Juntamente com a Angola Cables, Antel e Google, a empresa tem nesta conexão um dos principais equipamentos para ancorar a investida no Nordeste. Sobre o arremate da rede da Cemig, Estefan conta que a disputa se deu com a norte-americana American Tower - cujo lance vencido foi de R$ 38 milhões. Negócio fechado, mas os dados de clientes e atendimento não foram revelados ainda.

De acordo com o executivo, é preciso ainda esperar a aprovação do contrato pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) e pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), que deve durar entre 60 e 90 dias.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.