CEARÁ E NORDESTE

ANP: preço da gasolina cai

00:44 · 06.05.2008
( )

No Ceará, em 225 postos pesquisados pela ANP, em abril, a redução no preço médio do produto foi de 3,92%

Os preços da gasolina comum voltam a cair em Fortaleza, confirmando uma trajetória de queda que já dura dois meses e que vem sendo atestada nas últimas pesquisas semanais realizadas pela Agência Nacional de Petróleo (ANP), no Ceará e no Nordeste. Ontem, o litro do produto podia ser encontrado por até R$ 2,259, no Posto Capri, no bairro de Fátima, em Fortaleza; reforçando o recuo na média de preços na capital, de R$ 2,385, no período de 27 de abril a três deste mês. Puxados pela queda do consumo e pela concorrência acirrada com o álcool hidratado, o preço médio da gasolina recuou em todo o Nordeste, no mês de abril. Na primeira semana do mês passado, o litro do combustível foi comercializado pelos postos de Fortaleza, pelo preço médio de R$ 2,486, contra R$ 2,385, na primeira semana de maio, com diferença de - 4,06%, entre os dois períodos analisados pela ANP. No Ceará, em 225 postos pesquisados pela Agência, nas últimas cinco semanas, a redução no preço médio do produto foi de 3,92%. Nessa última semana, no período de 27 de abril a três de maio, o valor médio praticado no Estado foi de R$ 2,397, ante R$ 2,495, anotado na média da primeira semana de abril.

A retração do preço no Ceará seguiu uma tendência de queda registrada em todo o Nordeste, onde o preço médio do produto, nos postos dos nove Estados da região, recuou 0,05%, em abril. Nesse mês, o preço médio nos postos era de R$ 2,622, contra R$ 2,607, na primeira semana de maio. Na média nacional, o levantamento da ANP revelou que os preços dos combustíveis em todo o País ficaram estáveis na semana passada. Nesse período ainda não se identificou os reflexos do reajuste do diesel e da gasolina nas refinarias, aplicado na última sexta-feira.

Mais barato na área oeste

Em pesquisa paralela realizada ontem, em uma amostra de 28 postos em Fortaleza, a reportagem do Diário do Nordeste confirmou a retração nos preços em 27 dos estabelecimentos visitados, em vários bairros da Capital cearense. Em apenas um posto o preço do litro da gasolina foi elevado de R$ 2,37 para R$ 2,47, o correspondente ao aumento de 4,21%. No levantamento a reportagem verificou variação de 15%, entre o maior preço, de R$ 2,599 praticado no Posto Turbo, na Avenida Pontes Vieira, e os R$ 2,259, do Posto Capri.

Percebeu ainda, que os postos de combustíveis da área oeste da cidade apresentam os preços mais baixos, entre R$ 2,27 e R$ 2,30; enquanto que nos das zonas leste e norte da cidade, os preços variam de R$ 2,32 até R$ 2,599, com média de R$ 2,45, nas duas áreas.

Concorrência

Para o vice-presidente do Sindicados dos Postos de Combustíveis do Ceará (Sindipostos), Guilherme Meireles, a retração nos preços decorre de ´uma guerra de concorrência sem controle no setor, o que deve resultar em quebradeira, em breve´, aponta.

PAULO BERNARDO
Desoneração da Cide deve causar impacto de R$ 2 bi

Brasília. O ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, afirmou ontem que o impacto da desoneração da Cide sobre os combustíveis neste ano será de R$ 2 bilhões, uma vez que a medida entra em vigor já tendo transcorrido quatro meses de 2008. Na semana passada, quando a medida foi anunciada, a renúncia fiscal prevista foi de R$ 3 bilhões num período de um ano.

Bernardo explicou que a equipe econômica vai analisar o impacto dessa medida nas receitas e avaliar também o andamento das despesas para verificar se haverá necessidade de aperto adicional nos gastos. ´Essa desoneração de R$ 2 bilhões terá que entrar na nossa conta´, disse o ministro. Ele reconheceu que a desoneração parcial do diesel não impede que haja um impacto da alta do combustível na inflação, mas ressaltou que esse efeito é pequeno e é estimado em menos de 0,2%. Segundo o ministro, o impacto da gasolina seria muito maior no conjunto da inflação se o governo não tivesse optado pela desoneração.

Decreto

O governo publicou, em edição extra do Diário Oficial da União com data da última sexta-feira, decreto que reduz a cobrança da Cide sobre a comercialização de gasolina e diesel. O objetivo é compensar, para o consumidor, o aumento de 10% no preço da gasolina e de 15% no diesel, anunciado na quarta-feira passada.

Carlos Eugênio
Repórter

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.