Alimentos funcionais e naturais têm maior demanda

De acordo com o Sindialimentos, o setor foi menos impactado pela crise e, por isso, sai na frente na retomada do crescimento ( Foto: Kid Jr. )
00:00 · 18.03.2017

O setor de alimentos cresceu 8,9% em janeiro deste ano, enquanto a média nacional foi de 1,6% no mesmo mês, conforme estudo da Federação das Indústrias do Estado do Ceará (Fiec).

Para o presidente do Sindicato das Indústrias da Alimentação e Rações Balanceadas (Sindialimentos) no Estado do Ceará, André Siqueira, apesar de alguns produtores estarem sofrendo por conta da crise hídrica, como os de melão e tilápia, as empresas dirigidas para produtos naturais estão apresentando aumento na demanda.

LEIA MAIS

.Setores da indústria cearense começam a mostrar reação

.Produção têxtil inicia o ano com alta de 38,8%

.Metalurgia abre vagas e vê avanço de até 30%

.Mercado externo ameniza a crise

.Setor químico investe em eficiência e redução de custo

.Confiança sobe e é a maior desde 2014

"Podemos afirmar que a indústria de alimentos foi um dos setores que menos sentiu a crise no ano de 2016. De um modo geral, a retomada da economia está favorecendo muitos setores, uns mais outros menos, e o setor de alimentos, pelo fato de ter sido menos impactado, sai na frente dessa retomada", analisa.

Entre as novidades do setor está uma aproximação com Portugal que abre oportunidades de negócios para indústria de alimentos e laticínios. Em junho, empresas cearenses vão participar da Alimentaria & Horexpo. "Vamos identificar oportunidades de negócios pare empresas cearenses neste país", revela.

Tecnologia

André Siqueira também comenta sobre algumas empresas estarem buscando novas tecnologias de produção, em virtude da crise hídrica, que envolve o reúso de água, permitindo a captação da água de poços e o uso por várias vezes da mesma água no cultivo de tilápia e camarão.

Outra atividade no setor que tem crescido é a produção de alimentos com funcionalidade.

Empreendedorismo

De olho no avanço do segmento de alimentação saudável, alguns empreendedores resolveram investir na atividade e abriram novos negócios. Exemplo disso é a Snackout, que nasceu no início da crise, em 2015, com o propósito de oferecer ao consumidor uma alimentação mais saudável. Hoje, ela já celebra o aumento de produção nos últimos 12 meses. "Acreditamos em um novo momento econômico, em passos mais lentos, mas caminhando para um novo ciclo positivo. Nesse momento, reaparecem a crença nos investimentos", afirma o diretor executivo da empresa, Davi Frota.

Os produtos focam em um público que busca uma alimentação saudável sem abrir mão do sabor. "Acreditamos que saúde e sabor devem estar unidos", declara Frota. "Nosso objetivo semestral é quintuplicar no último semestre e lançarmos uma nova linha de produtos", disse. (CK)

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.