Senha era 'dar alpiste', diz delator

00:00 · 20.05.2017 / atualizado às 01:02

Brasília. O diretor da J&F Ricardo Saud disse que o código para falar sobre propina ao ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e ao operador e lobista Lúcio Funaro era falar em "dar alpiste para passarinhos".

"O dinheiro do Eduardo Cunha tinha terminado e o Michel Temer sempre pedia para manter eles lá. O código era 'tá dando alpiste pros passarinhos? Passarinhos estão tranquilos na gaiola?' Tal. Começou com Geddel. Quando Geddel foi abatido no meio do caminho, o Joesley foi conversar com Michel Temer", disse o delator.

O delator afirma que, na conversa com Temer, Joesley avisou que estava "acabando o alpiste" e o presidente teria dito que é "muito importante" manter.

LEIA MAIS:

Delatores da JBS citam repasses de R$ 20 mi a Cid e R$ 5 mi a Eunício

Votações serão mantidas, diz Eunício

Fracassa tentativa de Temer estancar crise

Áudio teria cortes, aponta perícia

Planalto afirma que não há prova de atuação pró-Cunha

Mouco admite relação com JBS, desde 2010

Joesley diz que pagou R$ 170 mi a esquema

Conta destinada ao PT somaria US$ 150 mi

Aécio teria recebido R$ 80 milhões da JBS

Congressistas do Ceará ainda estão atônitos com crise

'Momento é o mais crítico', afirmam deputados

Joaquim Barbosa pede 'mobilização'

Dólar recua 4%; Bolsa se recupera e sobe 1,69%

Agências alertam para risco de rebaixamento do País

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.