não será candidato

Saída de Joaquim Barbosa provoca racha no PSB

Desistência de Joaquim Barbosa, que anunciou a decisão pela sua conta na rede social Twitter, abriu a disputa pelo apoio do PSB entre presidenciáveis ( Foto: STF )
00:00 · 09.05.2018

Brasília. O anúncio do ex-ministro Joaquim Barbosa de que não será candidato à Presidência da República pegou de surpresa não só integrantes de seu partido, o PSB, como lideranças políticas de outras legendas.

A decisão abriu uma divergência no PSB sobre seu futuro eleitoral e levou outros partidos a buscarem o apoio dos pessebistas na disputa de outubro. No Rio de Janeiro, ontem, durante encontro nacional de prefeitos, pré-candidatos ao Planalto acenaram com possíveis alianças.

Joaquim Barbosa anunciou a desistência por meio de sua conta oficial no Twitter por volta das 10h de ontem.

Líderes do PSB foram avisados pouco antes da decisão. O ex-ministro ligou para o presidente nacional do partido, Carlos Siqueira, e enviou mensagem por WhatsApp para o governador de Pernambuco, Paulo Câmara, que comanda uma das alas mais influentes da sigla.

"Tomamos um café juntos na semana passada, no Rio, quando tratamos de uma série de decisões sobre contratação de assessores e conversas com especialistas, mas ele recuou", disse Siqueira. Embora demonstrando frustração, o dirigente afirmou que a decisão de Barbosa não chegou a ser "completamente uma surpresa" para ele, pois o ex-ministro sempre deixou claro que tinha dúvidas sobre a candidatura.

Siqueira disse que o partido vai definir nas próximas semanas como se posicionará nas eleições. A legenda está rachada. Há quem insista na tese de candidatura própria e quem defenda aliança com outros presidenciáveis. Os mais cotados para herdar esse apoio são o ex-ministro Ciro Gomes (PDT), a ex-ministra Marina Silva (Rede) e até o ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB), apesar de a sigla ter aprovado resolução interna determinando apoio a um nome de centro-esquerda, caso não tivesse candidatura própria.

"Seja Ciro Gomes, Geraldo Alckmin, Marina Silva ou qualquer nome hoje colocado, o PSB ganharia de um lado e perderia do outro. Precisamos de uma solução que não atrapalhe nossos 10 candidatos nos Estados", afirmou o ex-deputado Beto Albuquerque, um dos vice-presidentes do PSB. Ele é um dos que defendem que o partido mantenha candidatura própria e busque outro nome alternativo à Barbosa. "Qualquer outro candidato não vai unificar".

No PSB, porém, há até quem ainda queira insistir na candidatura de Barbosa. Em reunião com integrantes da bancada nesta terça, o líder da legenda na Câmara, deputado Julio Delgado (MG), disse que tinha enviado mensagem para o ex-ministro pedindo que ele refletisse "em nome do povo brasileiro" e reconsiderasse a decisão de não disputar o Palácio do Planalto neste ano. "O PSB não tem plano B. A eleição perdeu seu grande nome", disse Delgado.

Outros parlamentares do PSB, porém, avaliam que o racha é inevitável por causa das conveniências eleitorais de cada Estado Com a divisão interna, os demais presidenciáveis a intensificarem articulações para obterem o apoio do PSB.

"Se dependesse de mim, já estávamos juntos com o PSB. Agora temos que respeitar. É outro partido, tem uma lógica própria. Vamos aguardar", acenou o tucano Alckmin, que tem o governador de São Paulo, Márcio França, como um dos principais aliados do PSB.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.