Contra "Baleia-Azul"

Publicitários e estudantes criam opções 'do bem'

00:00 · 21.04.2017

São Paulo. Começaram a surgir mobilizações para conter a disseminação do Baleia-Azul. Uma das estratégias adotadas é criar "contrajogos" que utilizem a mesma lógica, com regras divulgadas em redes sociais, mas que proponham desafios focados na promoção do bem-estar.

Leia mais

.Jogo 'Baleia-Azul' causa alerta em oito estados

A Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado (Fecap) pretende lançar o Coelho Branco, que consiste em 15 tarefas elaboradas por estudantes do ensino médio técnico de Programação de Jogos Digitais, sob supervisão da professora Evelyn Cid.

Segundo o diretor Marcelo Krokoscz, a ideia partiu dos próprios adolescentes durante uma discussão em sala de aula. "Também conversamos com os pais para alertá-los, foi uma campanha ampla", explica.

Com proposta parecida, dois publicitários e a psicóloga Tamara Moura Camargo, 30, lançaram o site Baleia Rosa. Segundo ela, o projeto cresceu mais no Facebook, no qual ultrapassou 157 mil seguidores em seis dias. Em menos de 24 horas, ela calcula ter recebido 2 mil mensagens, das quais 20% são de usuários com tendências suicidas.

Uma moradora de Ribeirão Preto, interior de São Paulo, de 17 anos, foi uma das que procurou a página. Ela afirma enfrentar problemas em casa, além de sofrer bullying na escola e, por isso, se mutilaria há um ano. Ela conta que, quando relata o que sente, ouve que é "frescura".

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.