Em nota

Temer nega que tenha cometido crimes e recebido valores ilegais

O peemedebista disse que, no diálogo gravado pelo empresário Joesley Batista, não fez nada pelo ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha (PMDB-RJ)

21:53 · 19.05.2017 por Folhapress
Temer
Os empresários Wesley e Joesley Batista entregaram aos procuradores uma gravação em que Temer dá aval a um pagamento para comprar o silêncio de Cunha e do doleiro Lúcio Funaro ( Foto: Beto Barata/PR )

O presidente Michel Temer negou nesta sexta-feira (19) que tenha cometido crimes ou que tenha recebido doações eleitorais não permitidas pela Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Em nota enviada pela assessoria de imprensa do Palácio do Planalto, o peemedebista disse que, no diálogo gravado pelo empresário Joesley Batista, não fez nada pelo ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

"Isso prova que o presidente não obstruiu a Justiça. Ele não recebeu valores, a não ser permitidos pela Lei Eleitoral e declarados ao TSE. Portanto, não tem envolvimento em nenhum tipo de crime", disse.

LEIA AINDA:
. Janot acusa Temer de corrupção, obstrução de Justiça e organização criminosa
. Rodrigo Maia já discute com técnicos legislativos sobre eleições indiretas
. PF interceptou conversas telefônicas de Temer e de Gilmar Mendes
. Leia íntegra do pedido de Janot (PGR) e decisão de Fachin (STF)
. Não há ilegalidade em áudios gravados por Joesley, diz Fachin
. Delator diz que Aécio recebeu R$ 80 milhões para campanha e 'continuou pedindo mais'
Delatores da JBS citam propina de R$ 20 milhões a Cid Gomes e de R$ 5 milhões a Eunício

No pedido de abertura de investigação feito ao Supremo Tribunal Federal (STF), o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, vê indícios da existência de três crimes contra o presidente: obstrução de Justiça, corrupção passiva e organização criminosa.

"Importante registrar que um dos delitos em tese cometidos é o de corrupção passiva, o qual, como é sabido, pressupõe justamente o exercício de cargo, emprego ou função pública por parte do agente", disse Janot.

Os empresários Wesley e Joesley Batista entregaram aos procuradores uma gravação em que Temer dá aval a um pagamento para comprar o silêncio de Cunha e do doleiro Lúcio Funaro, informou reportagem do jornal "O Globo". Os dois já estavam presos pela Operação Lava-Jato.

São alvos da mesma investigação o senador Aécio Neves (PSDB-MG) e o deputado federal Rodrigo Loures (PMDB-PR), ambos afastados de seus cargos.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.