Decreto dos Portos

Temer lavou dinheiro de propina em imóveis da família, diz investigação da PF

De acordo com a PF, o presidente recebeu pelo menos R$ 2 milhões em propina através do coronel João Baptista de Lima Filho

08:15 · 27.04.2018 / atualizado às 08:21
Temer
Além de Temer, a primeira-dama, Marcela, e Michelzinho, o filho do casal, também são proprietários de alguns desses imóveis ( Foto: Beto Barata/PR )

A investigação da Polícia Federal (PF) sobre a edição de um decreto para beneficiar o setor portuário levou os investigadores à suspeita de que o presidente Michel Temer tenha pago reformas em casas de familiares para lavar dinheiro. Além disso, o emedebista também teria feito transações imobiliárias usando nomes de terceiros para ocultar bens. 

Além de Temer, a primeira-dama, Marcela, e Michelzinho, o filho do casal, também são proprietários de alguns desses imóveis. As informações são da Folha de São Paulo. De acordo com a PF, o presidente recebeu pelo menos R$ 2 milhões em propina através do coronel João Baptista de Lima Filho.

> PF pede mais 60 dias para investigar Temer

O pagamento teria ocorrido em 2014, ano em que Temer foi reeleito vice-presidente na chapa encabeçada por Dilma Rousseff. Na época, duas reformas foram feitas em imóveis em nome da filha dele, Maristela Temer, e de sua sogra, Norma Tedeschi. Os valores eram semelhantes ao valor da propina.

Um dos fornecedores da obra de reforma do imóvel de Maristela já havia afirmado que recebeu pagamento em dinheiro vivo das mãos da mulher do coronel Lima, Maria Rita Fratezi, 

A origem do dinheiro é, segundo os investigadores, a JBS e outra empresa contratada pela Engevix. Em delação, os executivos da JBS disseram ter repassado, em setembro de 2014, R$ 1 milhão a Temer, por intermédio do coronel.

A investigação aponta que o esquema no setor portuário dura mais de 20 anos e durou, pelo menos, até maio do ano passado, quando Temer, já presidente, assinou o decreto que prorroga os contratos de concessão e arrendamentos portuários, o que teria beneficiando empresas ligadas ao MDB. 

Defesa 

O advogado do presidente, Brian Alves Prado, disse “valores transacionados a partir de doações, aquisições de imóveis ou investimentos, são absolutamente compatíveis com seus rendimentos [de Temer] declarados à Receita Federal”. 

Segundo Prado, “a tentativa de envolver sua família em notícias de suspeita de lavagem de capitais, inclusive quanto a doações declaradas, com impostos recolhidos, ao seu filho de apenas 8 anos, se revela aviltante, desrespeitando a honradez do presidente em sua vida pública e pessoal”.

Já a defesa do coronel Lima afirmou que ele “nega veementemente qualquer irregularidade em sua conduta e participação em atos ilícitos”.

Sobre a Engevix, o advogado Cristiano Carvalho disse que a empresa já negou publicamente qualquer relação ilícita com Lima. Com relação à delação da JBS, a defesa afirma que “é improcedente e não encontra corroboração em elementos de prova”.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.