Julgamento

STF confirma liminar de Barroso por migração de parlamentares para novos partidos

O único voto contrário ao referendo da liminar de Barroso veio do ministro Marco Aurélio Mello

22:38 · 09.05.2018 / atualizado às 22:48 por Estadão Conteúdo
Barroso
O relator do caso, ministro Luís Roberto Barroso, destacou na sessão que a concessão da liminar foi uma medida "excepcionalíssima" ( Foto: Rosinei Coutinho/SCO/STF )

O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, nesta quarta-feira (9), referendar uma liminar concedida pelo ministro Luís Roberto Barroso em novembro de 2015 que permitiu a migração de parlamentares para os partidos Rede Sustentabilidade, Novo e Partido da Mulher Brasileira, que haviam sido criados na época antes da entrada em vigor da chamada minirreforma eleitoral.

A lei 13.165, de 2015, criou a chamada "janela partidária" e excluiu a criação de nova legenda como hipótese de justa causa para a desfiliação sem perda de mandato por infidelidade partidária. O Rede Sustentabilidade entrou com ação no Supremo, alegando que antes da minirreforma eleitoral, estava em vigor uma resolução do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que incluía a criação de um novo partido entre as hipóteses de justa causa para se desfiliar de um partido.

Em novembro de 2015, Barroso determinou a devolução do prazo de 30 dias, a partir do registro do novo partido, para que parlamentares migrassem para os partidos que haviam sido recém-criados na época.

O relator do caso, ministro Luís Roberto Barroso, destacou na sessão que a concessão da liminar foi uma medida "excepcionalíssima". "Tanto que dei a cautelar e pedi pauta (no plenário) no mesmo ato, o problema é que o prazo estava em decurso, se eu não suspendesse o prazo, o direito pereceria", disse Barroso.

O único voto contrário ao referendo da liminar de Barroso veio do ministro Marco Aurélio Mello. "A matéria é 'seríssima', inclusive sob o ângulo da deferência a outro poder público. A ótica de um ministro do Supremo afasta a ótica de 513 deputados e 81 senadores", ressaltou Marco Aurélio.

Barroso ressaltou durante a sessão que, ao conceder a liminar, não analisou se é constitucional ou não a perda de mandato no caso de políticos que mudam de partidos, e sim considerou a aplicação retroativa de uma nova lei, que atingiu partidos que já haviam sido criados recentemente à época.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.